Quando falamos em viagem, é comum pensar primeiro em destinos como Estados Unidos, Londres, França, e Itália. [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

Mas destinos poucos conhecidos ou procurados podem esconder grandes surpresas em meio à ilhas, sítios arqueológicos, relevos incomuns, construções e flores. Claudia Liechavicius, que já viajou para 103 países, listou alguns dos destinos mais lindos que fogem do clichê. Entre os destinos escolhidos estão Finlândia, Vietnã, e Reino de Bagan, todos devidamente registrados.

Confira abaixo os 10 lugares mais bonitos listados por ela:

Atois nas Maldivas
A República das Maldivas fica no Oceano Índico, Ásia, ao sudoeste do Sri Lanka e da Índia. O país é composto por 1.196 ilhas pequenas, agrupadas numa cadeia de 27 atóis (ilhas em formato de anéis que possuem uma lagoa dentro).

Região paradisíaca de imensidão azul, as Maldivas tem sua economia baseada no turismo e na pesca, com inúmeros resorts, mergulho, windsurf, caiaque e muita tranquilidade.

Aurora Boreal na Finlândia
O país fica na Europa e faz divisa com a Suécia, Noruega e Rússia. A aurora boreal pode ser vista no norte da Finlândia, na Lapônia Finlandesa.

Esse fenômeno natural só ocorre em regiões polares do planeta (no norte é chamada de boreal, no sul de austral), pois elétrons em alta velocidade são puxados com os ventos solares pelos campos magnéticos nos pólos da Terra e assim, o choque das moléculas forma a aurora.

Cenários lunares da Capadócia
Localizada na Turquia, que fica inserida no Oriente Médio, a Capadócia possui um relevo incomum e aspecto lunar formado por erupções de vulcões e foi moldado com o passar de milhares de anos pela chuva e pelo vento.

O local foi fonte de inspiração para o filme Guerra nas Estrelas e para a novela da Rede Globo “Salve Jorge”. Famosa pelos passeios de balões, a cidade também possui o turismo terrestre com as “cidades subterrâneas”, onde viveram milhares de pessoas nos primeiros séculos depois de Cristo e são consideradas Patrimônio Mundial da UNESCO.

Deserto do Saara no Marrocos
Considerado o maior deserto quente do mundo, o Saara fica no continente africano e abrange os seguintes países: Argélia, Chade, Egito, Líbia, Mali, Mauritânia, Marrocos, Níger, Sudão e Tunísia. No  verão, a temperatura de dia pode chegar aos 50º, por isso é indicado visitar o local entre novembro e março.

Já durante a noite, a temperatura cai drasticamente podendo alcançar -10º. As dunas do deserto são formadas pelas tempestades de vento que acontecem devido ao clima.

Geleiras da Patagônia
A Patagônia faz parte da Argentina e do Chile. O Parque Nacional dos Glaciares abriga mais de 300 geleiras, onde o horizonte se torna branco e azul, a mais conhecida é Perito Moreno, declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Um dos fenômenos naturais mais famosos e únicos do mundo acontece quando blocos da geleira se rompem produzindo fortes rugidos.

Halong Bay no Vietnã
O Vietnã se localiza na Ásia e Halong Bay fica no região nordeste. No país existe uma lenda que diz que as ilhas surgiram quando um dragão mergulhou no golfo para impedir a entrada de inimigos no Vietnã e ao sacudir a cauda, quebrou a montanha em muitos pedaços criando rochas em formatos diversos.

A baía é formada por um labirinto de formações rochosas também é considerado Patrimônio Mundial da UNESCO.

Petra na Jordânia
Uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo Moderno e considerada patrimônio histórico da UNESCO, Petra está inserida no Oriente Médio e fica no sul da Jordânia. É famosa pelas rochas esculpidas com arquitetura e pelo sistema de canalização de água.

As pedras do local tem a cor rosada, o que faz com que o local também seja conhecido como “Cidade Rosa”. A cidade aparece em “Indiana Jones e a Última Cruzada” e também em algumas das cenas da novela “Viver a Vida”, da Rede Globo.

Plantações de tulipa na Holanda
As tulipas tão conhecidas por fotos coloridas da Holanda, ficam em diferentes locais em Lisse, uma cidade pequena da Holanda. O Parque Keukenhof, o famoso parque de flores com projeto paisagístico, e as plantações pela cidade, onde os produtores cultivam os bulbos são os locais que abrigam todas essas cores e belezas.

A época certa para visitar as plantações é na primavera, de março até a primeira semana de maio, data que as tulipas são cortadas para serem exportadas para o mundo todo.

Reino de Bagan
Situado em Myanmar, no Sudeste Asiático, o reino floresceu sob o comando do rei Anawrahta que subiu ao trono em 1044 e governou durante 30 anos. Inicialmente, ele fez quatro grandes templos budistas para demarcar seu território e a partir daí, nasceram mais de 10 mil templos, estupas e monastérios entre os séculos XI e XIII.

Cada novo rei que assumia o controle tentava aumentar mais o poder do Reino de Pagan, cuja capital era Bagan, para agradar a Buda. Desse modo, o reino foi o primeiro a unificar as regiões que hoje formam Myanmar. Desses 10 mil templos, mais de 3 mil permanecem em pé, sendo dois mil originais e os outros mil reconstruídos.

Templos do Camboja
O Camboja também fica no Sudeste Asiático e seus templos estão localizados nos arredores de Angkor. Eles começaram a ser construídos pelo rei Jayavarman II, que adorava Shiva e edificou um templo em forma de montanha-piramidal para representar o monte Meru, a sagrada morada dos deuses hindus.

Seu sucessor aumentou o império. Até que o rei Yasovarman I, que reinou de 889 a 910, transferiu a capital de Roluos para Angkor. Então, uma quantidade enorme de locais sagrados e palácios de pedra foram construídos num raio muito pequeno. São mais de 100 templos.

Porém, Angkor entrou em declínio e acabou sendo esquecida. O local foi abandonado e a mata tomou conta. Isso ajudou sua preservação. Quatro séculos depois, exploradores franceses encontraram Angkor protegida pela natureza. Hoje em dia é um local turístico e muito visitado.

 

[/read]

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Conheça 10 dos destinos mais bonitos e exóticos do mundo

Veja também
Dia do viajante: Saiba por onde começar a planejar sua viagem
Descubra como uma viagem à Índia pode ser transformadora
Pesquisa mostra que brasileiro costuma planejar viagem com pouco tempo de antecedência