Home Diversidade Casamentos igualitários avançam no mundo em dez anos

Casamentos igualitários avançam no mundo em dez anos



Prestes a completar dez anos da aprovação do casamento civil igualitário no Brasil, a Parada do Orgulho LGBTQIA+ de São Paulo, do dia 19 de junho, levou cerca de 4 milhões de pessoas à Avenida Paulista e mais uma vez colocou a manifestação ocorrida no Brasil entre as maiores do mundo. Junho em especial é o mês quando as comunidades LGBTQIA+ se manifestam em vários países da América e da Europa contra a discriminação e violência com base na orientação sexual e identidade de gênero e em apoio à igualdade de direitos civis. Um balanço sobre as garantias dessa população mostra um avanço no número de países que legalizaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo nos últimos dez anos, ainda que exista um longo caminho a percorrer.

A última década foi particularmente importante para o fortalecimento do casamento entre pessoas do mesmo sexo, conforme indica relatório da Ilga Mundo – a Associação Internacional da Organização das Nações Unidas para de Lésbicas, Gays, Bisexuales, Trans e Intersex de 2020. Nesse período o número de países, ilhas e territórios que aprovam o casamento igualitário quadruplicou.

Conforme a pesquisa, casais LGBTQI+ de 56 estados da ONU, ilhas e territórios têm, atualmente, esse direito. Somado às recentes incorporações de Suíça e Chile, que legalizaram o casamento igualitário em setembro e dezembro de 2021, respectivamente, o número passou para 58. Antes disso, até 2012, apenas 13 países proporcionam o mesmo direito constitucional ao matrimônio a casais héteros e homossexuais. O primeiro país a legalizar o casamento igualitário foi a Holanda, em 2001.

O Brasil, que aprovou o casamento igualitário em 14 de maio de 2013, está entre os países que ajudaram a elevar em quatro vezes o número de lugares que não fazem distinção entre os direitos de casais, independentemente da orientação sexual. O caso do México é particular: 19 das 32 jurisdições possuem legislação espefíca para o casamento entre pessoas do mesmo sexo, abrangendo cerca de 50% da população. 

Na Europa, o continente com maior representatividade, existem 17 países onde o casamento igualitário é legal: além da Holanda e da Suíça, Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Islândia, Irlanda, Luxemburgo, Malta, Noruega, Portugal, Reino Unido e Suécia. No continente Americano, soma-se aos mencionados Brasil, Chile e México (parte dos estados), Argentina, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Equador, Estados Unidos, Porto Rico e Uruguai. O casamento igualitário também é reconhecido na Austrália, Nova Zelândia, África do Sul, Groenlândia, Ilhas Faroe, Ilhas Malvinas, territórios como Taiwan, entre outros.

Apesar do avanço da última década, o casamento igualitário ainda não é uma realidade predominante no mundo, especialmente no continente africano e asiático. Outros seis países estão ainda mais na retaguarda. É o caso de Brunei, Irã, Mauritânia, Nigéria, Arábia Saudita e Iêmen, onde as relações entre pessoas do mesmo sexo são consideradas crime punível com a pena de morte.

De acordo com artigo publicado em 2019 no site especializado em artigos científicos PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences), países que aprovaram o casamento igualitário experimentaram uma diminuição no preconceito contra a população LGBTQI+. 

A relação entre casais LGBTQIA+ e seus fornecedores de casamento 

No que diz respeito à organização do casamento, Casamentos.com.br – marketplace que pertence ao grupo do setor nupcial no mundo The Knot WorldWide – perguntou, entre outros temas, a 2 mil casais – héteros e homossexuais – se os fornecedores contatados estão se mostrando disponíveis às solicitações. Em relação aos casais homossexuais, 68,2% disseram que “sim, na maioria dos casos”; 9,8% responderam que “estão tendo problemas com alguns” e 22% indicaram outros motivos, apontando como resposta questões como valores acima do esperado ou que, ainda, não houve o contato com o fornecedor. Nenhum dos fornecedores contratados, segundo os entrevistados, se recusou a trabalhar para o casamento.

O casal Pierre Dornelles, 38, e Daniel Dornelles, 47, que organiza o casamento pela plataforma, resolveu oficializar a união depois de 14 anos de namoro e vai se casar no litoral paranaense em novembro deste ano, com direito à entrada dos noivos com os pais. Os dois dizem que não sofreram preconceito dos fornecedores por serem um casal homossexual. 

“A gente sempre deixou bem claro desde o início o tipo de casamento que queríamos fazer e para a nossa surpresa, eles abraçaram com carinho e paixão. A maioria deles nunca tinha feito um casamento LGBT e isso os deixou empolgados. Deram toda atenção e nos trataram como a gente quer: como duas pessoas que se amam e querem se casar e serem felizes como qualquer outra”, comenta Pierre.

Apesar da boa experiência que tiveram, Daniel pontua que sabe que nem sempre é assim. “Nós não tivemos problemas em relação aos fornecedores, mas infelizmente isso não é uma coisa do passado. Eu já tive amigos que tiveram problemas em relação a isso, coisas desagradáveis [que mostram que] o pessoal ainda tem que abrir a mente quanto a isso. Mas acho que a sociedade está caminhando num rumo muito bom. A gente vai superando, a gente sempre fez isso, e sempre tirou de letra”, afirma.

Para Juliana Gallo, Vice-presidente de Vendas da América Latina do grupo The Knot WorldWide, é preciso defender que qualquer casal do mundo tenha os mesmos direitos. “Que todos os casais se sintam felizes organizando seu casamento independentemente de sua orientação sexual é um dos principais objetivos de Casamentos.com.br e estamos cientes da necessidade de apoiar a comunidade”, complementa.

Segundo as estatísticas da Fundação Seade, somente no estado de São Paulo, o casamento entre pessoas no mesmo sexo em 2021 registrou um aumento de 23,2% em relação ao ano de 2020, o primeiro da pandemia do novo coronavírus. Já os casamentos entre casais de sexos diferentes – ainda que sejam a esmagadora maioria – alcançaram um aumento de 17,5% comparado ao mesmo período. 

Casamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anosCasamentos igualitários avançam no mundo em dez anos

Previous articlePresidente da CVM participa da abertura da 23ª edição do Encontro de RI
Next articleTransformação de times em Sociedade Anônima de Futebol chega ao interior de SP