Home Cultura Indústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemia

Indústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemia



Nos últimos dois anos o mundo se viu diante de novos desafios. Com o avanço da medicina,  novas tecnologias e a globalização, ninguém poderia imaginar viver apenas em casa, sem frequentar escritório, academia ou eventos sociais.

A pandemia trouxe um questionamento: como enfrentar esse novo cenário? As pessoas se viram obrigadas a olhar mais para si e para a família. Passado o susto inicial, a descoberta de um novo modo de viver, conhecido apenas por antepassados, é cada vez mais presente. Conviver mais de perto com a natureza se torna um objetivo para muitas pessoas.

De acordo com o provedor de pesquisa de mercado Euromonitor Internacional, em 2022 67% dos consumidores querem causar impacto positivo no meio ambiente e veem isso como uma forma de fazer a diferença no mundo por meio de suas ações. O consumidor exige cada vez mais produtos que não causem malefícios à pele, à saúde e ao meio ambiente.

Por outro lado, dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), indicam que o setor encerrou o ano de 2021 com uma queda no faturamento de 2.8%, no entanto, o presidente-executivo da entidade, João Carlos Basílio, afirma que “as empresas que enxergaram as oportunidades em meio à crise, souberam interpretar as necessidades do consumidor e colocar produtos inovadores no mercado, conseguiram excelentes resultados”.



Com uma linha de cosméticos pronta para ser lançada na feira Hair Brasil 2020, a Nasi Indústria de Nutricosméticos, viu na pandemia esta oportunidade. A empresa recriou todo o conceito da marca apostando na criação de produtos naturais que atendam a esse novo mercado.

Com a reabertura dos eventos presenciais, a Nasi lança a marca D’Arco Professional na feira Hair Brasil 2022, com produtos para o corpo, rosto e cabelos. “Aliamos a tecnologia com a natureza trazendo produtos que são multifuncionais, sempre pensando no cuidado e na saúde”, afirma a supervisora de Pesquisa e Desenvolvimento da marca, Cícera Mendes. São dermocosméticos voltados para profissionais de beleza e consumidores finais, que utiliza o poder terapêutico dos óleos essenciais, manteigas e óleos vegetais e extratos naturais. “Os dermocosméticos estão na fronteira entre um cosmético e um medicamento, portanto ele cuida e trata”, reforça Cícera Mendes.

A pesquisa do Euromonitor Internacional revelou também que 28% dos consumidores atualmente optam por comprar produtos e serviços de origem local, revelando uma busca por individualidade e autenticidade. Neste novo panorama, os consumidores indicam desejar cada vez mais entender os processos de autocuidado para replicar os resultados do salão em casa. Para o visagista Robson Trindade, essa é uma tendência atual, um legado deixado pela pandemia “A consumidora hoje quer resgatar a sua identidade e o que ela precisa é de produtos que conversem com aquilo que é o seu DNA, aquilo que é o melhor da sua imagem”.

 

 

 

 

 

Indústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemiaIndústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemiaIndústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemiaIndústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemiaIndústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemiaIndústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemiaIndústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemiaIndústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemiaIndústria da beleza encara novos desafios no cenário pós pandemia

Previous articleSaúde mental afeta ao menos 30% dos trabalhadores no Brasil
Next articlePJs de micro e pequenas empresas batem recorde de abertura