Home Cultura Órgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extras

Órgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extras



À medida que o Coronavírus demonstra diferentes comportamentos e picos de alta e baixa em infecções e mortes em diferentes países, os viajantes com a passagem em mãos agora têm mais uma doença a considerar ao traçar seus roteiros de férias, estudo ou trabalho: a “varíola dos macacos”. Nos EUA, por exemplo, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) está incentivando os viajantes americanos a “praticarem um reforço de precauções” em função da referida doença, que é prima da varíola, já que centenas de casos foram relatados em dezenas de países, incluindo os Estados Unidos. Até a presente data, Reino Unido, Espanha e Portugal são os países que têm o maior número de casos documentados. No Brasil já existem casos confirmados e um deles é na cidade de São Paulo, conforme consta na página oficial do Ministério da Saúde sobre o tema. 

Nesta semana, o CDC americano atualizou seu aviso de saúde de viagem para varíola dos macacos para “Alerta – Nível 2”, que é o nível intermediário de seu sistema de classificação de três níveis. Por enquanto, as autoridades americanas de saúde estão tratando a varíola dos macacos da mesma maneira que tratam outros surtos de doenças quando se trata de viajar. O CDC não está emitindo recomendações de viagem relacionados à varíola dos macacos para países individuais, como fez no caso da Covid-19. “O risco para o público em geral é baixo, mas você deve procurar atendimento médico imediatamente se desenvolver novas erupções cutâneas inexplicáveis (lesões em qualquer parte do corpo), com ou sem febre e tiver calafrios, e ainda evitar o contato com outras pessoas”, diz o comunicado do CDC.

De um modo geral, isso significa que o órgão federal estadunidense não está restringindo viagens, mas sugerindo que os turistas tomem algumas precauções extras, incluindo: evitar contato próximo com pessoas que tenham lesões na pele ou em sua genitália; evitar o contato com animais selvagens como ratos, esquilos, macacos e símios; evitar contato com o vestuário, roupas de cama ou outros itens que possam ter sido contaminados por pessoas ou animais.

Desde o dia 13 de maio, quase 1.100 pessoas em mais de 30 países contraíram a varíola, e as autoridades de saúde ainda estão investigando outros mil ou mais casos sinalizados. Nos EUA, os médicos até agora relataram 35 casos confirmados em 14 estados e no Distrito de Columbia.



As pessoas infectadas com a Monkeypox, que é o nome como a varíola dos macacos ficou conhecida por lá, geralmente apresentam febre, dor de cabeça, dores musculares, linfonodos inchados, calafrios e exaustão, acompanhados por uma séria erupção cutânea que começa no rosto e depois se espalha pelo resto do corpo. Para a maioria das pessoas, a doença simplesmente regride e elas se recuperam em duas a quatro semanas. No entanto, o vírus demonstrou ser letal de 1 a 11% dos infectados. O quadro pode ser pior para bebês, idosos e pessoas com imunodeficiência ou com outras condições médicas de risco, de acordo com as informações do CDC.

Ricardo Mendonça, diretor geral na Next Seguro Viagem, empresa paulistana especializada em seguro-viagem internacional, diz que “os viajantes devem estar cientes do vírus e tomar as medidas necessárias para ajudar a limitar sua propagação. Vemos muitos viajantes sensatos, seguindo estritamente os protocolos de saúde e optando por acessórios tais como o seguro-viagem para obtenção de atendimento médico de urgência e emergência no destino internacional. A maioria das apólices de seguro-viagem cobrem infecções transmitidas por vírus e, portanto, oferecem cobertura para despesas de hospitalização decorrentes da infecção com o vírus do macaco. Pelo menos por enquanto, não há motivo algum para as pessoas entrarem em pânico. Com prudência e observância aos protocolos de saúde, poderemos seguir normalmente com nossas viagens individuais ou familiares e com nossas programações e projetos turísticos.”

Órgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extrasÓrgão federal estadunidense sugere que os viajantes tomem precauções extras

Previous articleEncontro de Relações com Investidores debaterá a temática ESG
Next articleSegurança de Dados na Indústria 4.0: empresas devem estar atentas