Balneário Camboriú, SC 5/3/2021 – Neste Dia Internacional da Mulher, dois cases inspiradores para mostrar que o lugar de mulher é onde ela quiser.

Um dos setores que mais alavanca a economia é também um dos que mais vêm mudando sua característica diante do crescimento das mulheres no mercado de trabalho. No país, a ciência da engenharia sempre foi marcada pela presença masculina e, por muito tempo, as mulheres eram consideradas como sexo frágil e incapazes de desempenharem as atividades que o setor exige. A construção civil e o canteiro de obras sempre foram considerados como zona de força bruta, ideia que tem sido modificada com o passar dos anos. Contudo, esse mercado vem apresentando mudanças e abrindo portas para o crescimento da presença feminina, uma tendência que se fortalece a cada ano. E, Balneário Camboriú, berço das grandes construções no país, cidade que lança tendências e supera os desafios da engenharia, também abre espaço para histórias inspiradoras da presença de mulheres na construção civil.

E, engana-se quem pensa que elas se intimidam. Luiza Serabion Graça Schneider, 30 anos, e Lucrecia Alberico Dos Santos, 37, colaboradoras da FG Empreendimentos, trilham caminhos que poucas mulheres escolhem, e hoje fazem história por ajudarem a construir o empreendimento que será o maior prédio residencial das Américas, o One Tower, que será entregue em 2022.

Luiza é engenheira civil e técnica de segurança do trabalho. Há 7 anos na área da construção civil, destes há quase 2 anos na FG Empreendimentos atuando como técnica em segurança do trabalho, diariamente desafia-se em um ambiente majoritariamente masculino sendo prova de que as mulheres são capazes de desenvolver qualquer profissão. “No começo eu tinha medo, medo de não conseguir, de não mostrar do que eu sou capaz, mas a vivência me mostrou que ganhando a confiança dos colegas, dúvida diante da nossa competência dá espaço à valorização. Valorização essa que eu encontrei aqui na FG Empreendimentos, uma empresa que vai muito além do abrir novos horizontes, mas investe nos colaboradores e nos permite superar os nossos próprios medos”, comenta.

Mas nem tudo são flores. Ou melhor, em um canteiro de obras, muitas vezes o peso da responsabilidade vem junto com as toneladas de argamassa e tijolos. “Coordenar um público predominantemente masculino me fez aprender que é ensinando com exemplos que o respeito e a relevância se fortalecem. É desafiador, desenvolvo uma força interna que não sabia existir, não é fácil, mas é gratificante”, suspira Luiza lembrando-se de suas experiências.

E se para quem orienta e fiscaliza a segurança de uma obra às vezes é difícil se impor, o que dizer para quem adentra um ambiente que era apenas masculino, como faz a multioperadora Lucrécia, que comanda empilhadeira, elevador cremalheira, sinaleira de obra e, também, a grua que leva aos céus os materiais que são utilizados para o arranha-céu que será o maior das Américas.

Vinda do interior do Paraná para encurtar a distância da mãe e ajudar no sustento da família, ela saiu em busca de oportunidades no mercado de trabalho. O ano era 2014 e a vaga era de servente de limpeza. Abraçou com unhas e dentes. Dedicada e comprometida com seu serviço, logo se adaptou ao ambiente praticamente masculino.

Conhecendo a política da empresa, de valorização de colaboradores, ela foi em busca do crescimento profissional. Quatro anos depois de entrar para o quadro de funcionários da construtora, ela aproveitou a oportunidade, realizou cursos e foi promovida. “Agora eu tenho várias funções e formações. A FG me deu uma oportunidade que eu não sei se teria em qualquer outro lugar. Eles me olharam como ser humano, acreditaram no meu potencial e hoje eu sou totalmente realizada”, relata a multioperadora. E completa: “eu sou muito envergonhada, quando me perguntaram se eu queria dar entrevista pensei em recuar. Minha mãe, mais uma vez, me incentivou, disse que eu não podia perder essa oportunidade de mostrar para outras mulheres que, sim, a gente pode ocupar o lugar que a gente quiser. Ela tem o maior orgulho de me ver trabalhando e eu sou grata a essa empresa”, conta.

Assim como Luiza, Lucrécia também teve medo, no início, em não corresponder às expectativas, da frustração. “Quando passei a operar a grua, considero esse o meu maior desafio, é um trabalho que precisa ter muito controle, precisão. Quando paro e penso que sou a mulher que operou a grua do maior prédio das Américas me dá aquele frio na barriga e aquela sensação de dever cumprido”, finaliza Lucrécia.

Segundo dados do IBGE, em 2018 havia 239.242 trabalhadoras registradas no mercado da construção civil. Em 2007, esse número era de 109.006, ou seja, teve um aumento próximo de 120% em 11 anos. Um dos fatores que estimulou o aumento, segundo o instituto, é a evolução da indústria de construção civil. Com métodos construtivos automatizados e maior segurança, a prioridade está mais na qualificação profissional que na força física. A opinião é corroborada pelo diretor de mercado e marketing da FG, Altevir Baron. Atualmente a empresa conta com 13,4% de funcionárias nos canteiros de obra. Um número que pode parecer pequeno, mas que vem crescendo anualmente. “Se analisarmos o percentual como um todo, da presença feminina na empresa, temos um salto para 40,5%, nos cargos de liderança representam 35,4%”, pontua Baron.

Investir em projetos de capacitação de mão de obra é uma das marcas da gestão que tem à frente o empresário Jean Graciola. “As empresas, para crescerem, precisam, cada vez mais, se redesenhar e se adaptar ao mercado, principalmente, valorizando o seu capital humano”, finaliza o presidente da FG Empreendimentos.Dia Internacional da mulher e a força feminina na construção civil

Website: http://www.fgempreendimentos.com.br