Home Cultura Piso de madeira pode ser um ótimo investimento para quem deseja economizar...

Piso de madeira pode ser um ótimo investimento para quem deseja economizar na reforma

São Paulo, SP 10/5/2021 – Geralmente, a durabilidade do piso de madeira é bastante alta. Mas, é necessário tomar todos os cuidados.O piso de madeira é um clássico que nunca sai de moda. Além de deixar o ambiente mais charmoso, oferece muito mais praticidade e agilidade quando se trata de uma reforma.

No início da humanidade, antes da arquitetura e design se tornarem tendência, a madeira já era bastante utilizada para construir casas. Ao longo do tempo, o uso do material foi evoluindo e criando proporções maiores, passando a ser utilizado como forro, revestimento e principalmente pisos.

E não é à toa que o uso da madeira faz sucesso até hoje. Ela apresenta uma série de características que podem impactar de maneira positiva em qualquer ambiente. “Um dos fatores que contribuem para a escolha da madeira na decoração é o fato de ser um elemento natural, gerar conforto e deixar o ambiente mais elegante”, afirma Gustavo, Diretor da ParquetSP.

Piso de madeira é uma boa ideia?

O piso de madeira é um clássico que nunca sai de moda. Além de deixar o ambiente mais charmoso, oferece muito mais praticidade e agilidade quando se trata de uma reforma. Além disso, ao contrário de outros tipos de piso, ele não precisa passar por processos de tratamento após a instalação.

Isto significa que ele já sai da fábrica com um acabamento que o mantém conservado, sem a necessidade da aplicação de verniz ou raspagens. Mas, mesmo diante desses benefícios, é uma escolha que requer alguns cuidados. “Ao escolher um piso de madeira para o seu ambiente, você deve pensar direitinho onde ele será instalado. Por exemplo, se for uma área externa com piscina, deve ser utilizado um deck, e assim por diante”, explica Gustavo.

Também é importante lembrar que os pisos são produzidos através de diferentes espécies de árvores, algo que também pode impactar na escolha e preço final.

Tipos de pisos de madeira

São várias as espécies de madeira utilizadas na fabricação de pisos, sendo as mais comuns o carvalho, cumaru, ipê, jatobá, sucupira, entre outros.

Entre os principais tipos de pisos de madeira estão o taco, composto por réguas inteiras de madeira maciça, o parquet que é feito com pequenas peças de madeira, o deck indicado para áreas externas, o piso esportivo e o ecológico.

“Também existe o piso acústico, fabricado com um tipo de madeira chamado cortiça. Ele impede a transferência de sons de um lugar para o outro e pode ser utilizado em estúdios de gravação ou rádio”, conta.

Claro que também é possível escolher o piso de acordo com a cor. Tons de madeira mais claros podem ser utilizados em uma decoração mais clean.

Já os pisos de cor mais escura são muito usados em decorações com estilo industrial ou rústico, podendo oferecer a sensação de um ambiente menor e mais aconchegante.

Cuidados na hora da limpeza

Limpar o piso de madeira é algo mais simples do que se pode imaginar. Basta apenas uma vassoura de cerdas macias ou aspirador de pó para evitar o atrito com o piso.

Não se deve lavar nem aplicar produtos químicos, pois esse tipo de material é sensível a determinadas substâncias. Portanto, devem ser evitados produtos como álcool e alvejantes.

Outra indicação é usar panos úmidos com produtos sem amônia, além de investir em tapetes em ambientes onde há uma alta circulação de pessoas, para que o piso não fique riscado.

Com relação à durabilidade, o piso de madeira pode ter uma vida útil de 10 a 20 anos. “Geralmente, a durabilidade do piso de madeira é bastante alta. Mas, é necessário tomar todos os cuidados para que ele seja instalado de forma correta e não sofra agressões logo em seguida”, finaliza.
Piso de madeira pode ser um ótimo investimento para quem deseja economizar na reforma

Website: https://parquetsp.com.br/

Previous articleA gestão eficiente dos resíduos sólidos pode prevenir as enchentes
Next articleLevantamento aponta que golpes no e-commerce geraram perdas de R$ 2 bilhões desde o início da pandemia