Como se casam os casais LGBTQIA+ no Brasil?

    São Paulo 22/6/2021 – Cada vez mais fornecedores trabalham para que todes os casais se sintam 100% à vontade na preparação do seu casamento ideal. – Juliana Gallo, Sr. Director LATAMMais da metade dos casais homoafetivos do Brasil que escolhem oficializar sua relação tem até 26 anos. 1 em cada 4 se casam em menos de 3 meses e conhecem mais por redes sociais (33%) do que por amigos (22%)

    Décadas de luta se passaram antes que o casamento homoafetivo fosse permitido no Brasil. Foram muitos os casais apaixonados que esperaram por esta conquista: dizer “sim” e jurar amor eterno. Porém, acima de tudo, esperaram para se sentirem iguais a qualquer casal perante a lei. Uma pesquisa feita em 27 países pelo Instituto Ipsos mostrou que o mundo está mais aberto em relação aos direitos da população LGBTQIA+. No Brasil, por exemplo, 55% é a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo, enquanto 14% sugere outras alternativas de reconhecimento legal. Os que se opõem a qualquer tipo de status para esses casais somam 18%.

    A realidade é que os casais homoafetivos continuam se casando, e por ocasião do mês do Orgulho LGBTQIA+, o site Casamentos.com.br quis investigar como são estes casamentos no Brasil, a partir da análise de duas pesquisas realizadas em mais de 2.000 usuários, composta de casais hétero e homoafetivos.

    Unidos da web 

    A internet se tornou o cupido dos casais LGBTQIA+. Segundo pesquisa realizada com os usuários cadastrados no portal Casamentos.com.br, os casais de mesmo sexo se conhecem mais por redes sociais (33%) do que por amigos (22%). Essa proporção se inverte em casais heterossexuais, já que 1 em cada 3 contam com a ajuda dos amigos para conhecer pessoas. Consequentemente, os apps de relacionamento fazem mais sucesso entre casais homoafetivos: quase metade deles (44%) fez uso para encontrar o seu amor ou investiu nos inboxes do Instagram. A rede, aliás, é uma grande casamenteira: 1 em cada 4 casais que decidiram se casar se conheceram por lá. 

    Paixão fulminante

    Os dados mostram uma tendência à impulsividade na decisão de subir ao altar em casais do mesmo sexo. Enquanto 31% dos entrevistados disse ter esperado 1 ano ou mais para a celebração, quase o mesmo número (27%) diz ter demorado menos de 3 meses. Uma porcentagem alta se comparada com 14% dos casais heterossexuais.

    Mais igualitários

    Onde parece haver diferenças significativas é na distribuição de tarefas. 55% dos casais homoafetivos dividem de forma mais balanceada as tarefas da organização de um casamento, enquanto apenas 36% dos casais héteros o fazem, segundo duas pesquisas realizadas em mais de 2.000 usuários do portal Casamentos.com.br. Aliás, em casais heterossexuais, a porcentagem de pessoas que organizam o enlace sozinhas é de 55%. Embora o universo nupcial esteja passando por transformações sociais e culturais significativas, geralmente é a mulher quem se encarrega de organizar mais aspectos deste dia, sendo ela quem tem mais peso na organização e preparação do grande dia. Nos casamentos LGBTQIA+, apenas 36% dos casais sentem que as tarefas recaem mais sobre apenas 1 pessoa. 

    O amor ainda é romântico

    Para 77% dos casais do mesmo sexo, “dar mais um passo na sua história de amor” é o principal motivo para escolher oficializar a relação, já que 85% deles já viviam juntos antes do casamento. Para casais heterossexuais, casar é uma maneira de viver juntos, já que apenas 42% dividem um teto antes do grande dia. Comparativamente, casais heterossexuais fazem mais questão das despedidas de solteiro/a do que os gays (35% contra 19%)

    A força da comunidade

    Sentir-se bem com os profissionais e fornecedores que irão organizar e cuidar das tarefas de um dos dias mais importantes da vida é essencial. Por este motivo, os casais homoafetivos valorizam mais a indicação de amigos do que os héteros: 62% contra 56%. Esta tendência se vê refletida em um maior uso do WhatsApp como espaço de troca de referências, um reflexo da vontade de se sentirem confortáveis com as escolhas dos profissionais.

    Menos é mais

    Os enlaces entre casais homoafetivos têm menos convidados se comparados com casais héteros. Apenas 38% dos casamentos gay-friendly tem mais de 125 convidados, enquanto nos casamentos heteronormativos esse número sobe para 50%.

    Nos casamentos gays, comida e bebida de boa qualidade, conforto e lembrancinhas são os itens mais valorizados, e foto, música e decoração são fornecedores que não podem faltar. Metade dos casais entrevistados disse que seu pet participará da cerimônia.Como se casam os casais LGBTQIA+ no Brasil?

    Website: https://www.casamentos.com.br/

    Previous articleEvento Akamai Security Summit debate cibersegurança e os perigos digitais para as empresas no Brasil
    Next articleDados da CNI mostram que indústrias mantêm crescimento mesmo na pandemia