Brasil 28/5/2021 – São módulos altamente duráveis, resistentes, e que estão se transformando em oportunidades de negócios.Tendência de mercado traz inovações como módulos adaptados que servem como lojas de conveniência autônomas, lockers inteligentes, espaços para serviços delivery e storages.

O setor imobiliário e de construção tem procurado, nos últimos anos, se posicionar de forma eficiente e acompanhar a evolução de outros setores que movimentam a economia. Para isso, tem feito uso de inovações tecnológicas, apoiado em movimentos como as proptechs (Property Technology).

Um levantamento divulgado em maio deste ano revela que o Brasil tem 839 proptechs – startups que desenvolvem soluções para o ramo imobiliário. O mapeamento foi feito pela gestora de capital de risco Terracotta Ventures. O estudo, realizado desde 2017, aponta que esse número mais que triplicou neste período.

De acordo com a pesquisa, houve um salto de 500 empreendimentos em 2019 para 702 até o encerramento de 2020, totalizando um avanço de 23% na quantidade de startups no setor. Se considerarmos o primeiro mapa da categoria, apresentado em 2017, o crescimento foi de 180%.

Um exemplo desse tipo de atuação é a Moreco, propctech que oferece locações de módulos em containers por planos de assinatura. Surpreendentemente, ela já atingiu o índice de crescimento mensal de 30%. A empresa já tem 30 unidades distribuídas em 6 estados brasileiros e quer chegar a um total de 100 módulos até o fim de 2021. Conta ainda com boas expectativas para 2022: 1 mil novas unidades.

As projeções positivas se devem à oportunidade viável que as proptechs oferecem a investidores interessados em diversificar seus ganhos. É possível investir em unidades modulares que são locadas para as startups atendidas, tendo também a chance de empreender de uma forma diferente.

Com fundação recente, em 2020, a Moreco foi idealizada para fornecer containers modulares em diferentes tamanhos a micro e pequenos empreendedores. Eles encontram, então, a chance de implementar suas próprias startups de forma mais rápida e prática do que no modelo convencional de espaços comerciais.

As proptechs que trabalham com este tipo de serviço dão um incentivo a mais e contribuem para os pequenos empresários atravessarem a pandemia e se adequarem à nova realidade. Isso significa um importante passo rumo à democratização e à expansão do acesso simplificado ao empreendedorismo. No caso da startup citada, as estruturas são locadas com modelos sob demanda, disponibilizadas por meio de um plano de assinatura, com duração média de 5 anos.

Para se ter uma ideia, após o acordo do negócio, um módulo leva em torno de 30 dias para ser fabricado e entregue, podendo esse prazo ser reduzido para até 15 dias em alguns casos. Se houver estoque, a entrega passa para apenas 2 dias. Assim, nota-se que uma das grandes vantagens é receber uma loja pronta em apenas dois dias e já poder começar a trabalhar.

Por causa da entrega rápida, a inauguração pode ser feita muito antes do que se o empreendedor escolhesse as maneiras convencionais, ou seja, a construção ou compra de um prédio ou espaço de alvenaria.
Com o módulo entregue, em caso de startups que utilizam aplicativos e softwares de automação próprios, basta adaptação e abastecimento com seus produtos. Além de poder começar a operar imediatamente, o operador dispensa o investimento em um ativo imobilizado e o retorno de suas atividades tem um payback em menor prazo, possibilitando o empreendedor a iniciar mais unidades de franquias e negócios.

Alta nos materiais de construção
Os materiais de construção mais caros forçam empresários a se reinventarem e buscarem soluções como as que as proptechs ofertam.

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), recém-divulgado pelo IBGE, registrou alta de 1,87% em abril frente a março, sendo a terceira maior taxa desde julho de 2013, puxada pela alta dos materiais. O custo nacional da construção por metro quadrado, que em março havia fechado em R$ 1.338,35, passou em abril para R$ 1.363,41, sendo R$ 789,10 relativos aos materiais e R$ 574,31 à mão de obra. Os vergalhões e arames, seguidos dos tubos de aço, condutores elétricos e tubos de PVC são os maiores líderes dessa alta, desde janeiro.

Foco em sustentabilidade
A proptech em questão se dispõe a reaproveitar containers marítimos, usados para uma exposição, por exemplo, e que depois retornam à fábrica para adaptações e posterior envio para outra localidade. Então, este container atuará de alguma outra forma, como sendo o espaço para uma loja de conveniência, formando um ciclo de sustentabilidade que beneficia todos os lados envolvidos.

Para Thomaz Yves, sócio-fundador da Moreco, a iniciativa se destaca porque os containers que poderiam virar sucata se transformam em módulos sem gerar resíduos. “São materiais altamente duráveis, resistentes, e que estão se transformando em oportunidades.” Além disso, os módulos construídos seguem o mesmo processo de zero impacto ao meio ambiente, com geração zero de resíduos, sem uso de água e cimento.

O CEO da Onii, Victor Azouri Bermudes, startup do segmento de lojas autônomas que tem a Moreco como uma de suas fornecedoras, explica sua estratégia: “com a locação dos módulos foi possível expandir a área de atendimento muito mais rápido. Partimos do princípio de que novos negócios precisam buscar ser sustentáveis. Tanto em termos de saúde financeira, ou seja, negócios que se bancam, como em termos ambientais. E os containers em lojas autônomas se mostraram eficientes nos dois aspectos”. Segundo ele, o custo desse tipo de operação é muito menor e ainda é possível desmontar a loja e levá-la a outro local caso seja necessário, com gastos menos significativos e sem danos ao meio ambiente, já que não envolve uso de matéria-prima.

Fim da burocracia
Os trâmites burocráticos também são reduzidos nessa opção de empreendimento. Para o outro sócio-fundador da Moreco, Lyncoln Lemes, a iniciativa com planos de assinatura on demand está transformando a forma de empreender, facilitando a vida dos novos empreendedores.

“Em um cenário como o da pandemia, precisamos pensar em quantas pessoas encontraram no empreendedorismo a única saída para a sobrevivência e renda. Mirando em prover espaços comerciais modulares por assinatura on demand, reduzimos o seu risco, prazo e o custo inicial para empreender. Dessa forma, aumentamos o retorno sobre investimentos, melhoramos o payback e eliminamos as burocracias de se construir.”

Para saber mais sobre o assunto, basta acessar o site.
Número de proptechs cresce no país, dando espaço a soluções imobiliárias como startups de locações que auxiliam novos empreendedores

Website: http://www.morecotech.com/