7/5/2021 – O ar comprimido é uma das principais utilidades das indústrias, e responde por até 40% do consumo energético de uma planta

Atualmente, a sustentabilidade é uma questão para consumidores. Dados disponibilizados pela Union + Webster apontaram que 87% dos brasileiros dão preferência a produtos e serviços que não agridem o meio ambiente. Além disso, 70% dos entrevistados declararam optar pelos produtos sustentáveis mesmo que eles sejam mais caros do que os similares. 

Dessa forma, corporações voltam seus olhares para a questão. Uma pesquisa realizada pela Aberje revelou que 74% das empresas investem na sustentabilidade para reforçar sua imagem e reputação, comprometendo-se com causas de interesse comum; 55% deseja ajudar pessoas das comunidades ao entorno e, por fim, 47% deseja cumprir a legislação e evitar passivos futuros.

Com isso, surge a questão: “como ter um sistema de ar comprimido de maior eficiência, sem aplicação de grandes recursos, de pessoal e investimento, e sem perder o foco no negócio da empresa?”

Sistema de ar comprimido

“Manter um sistema de ar comprimido requer trabalho. Começa com a correta escolha de um compressor – que pode ser um desafio num mercado repleto de opções de marcas e modelos”, diz Leandro Di Petta, gerente de soluções Delivery da HBR. “Depois, temos a definição de um sistema de tratamento do ar comprimido avaliando as necessidades da produção e a seleção dos equipamentos adequados. Uma vez definidos os equipamentos, inicia-se o projeto da sala de compressores e da rede de distribuição”, explica.

Esta etapa pede pela avaliação das instalações elétricas, dimensionamento de painéis e tubulações de ar comprimido, cálculos de perda de carga, sistemas de resfriamento, bombas para a circulação de água, sistemas de ventilação da sala e outros detalhamentos exigidos no projeto.

“Alinhado com a Indústria 4.0, o sistema de ar comprimido deve ser automatizado. Isso demanda um projeto de automação, instrumentação, desenho de redes de comunicação, plataformas de monitoração e controle e sistemas de gerenciamento de energia. É preciso manter o sistema operando da maneira mais eficiente, sem paradas no fornecimento de ar comprimido”, diz. Parte deste trabalho é a manutenção dos equipamentos, com as atividades preventivas, aquisição de peças de reposição, trocas de peças e gestão de pessoal.

Leandro enfatiza que, em números gerais, o custo durante a vida de um compressor é 75% voltado para energia, e o resto dividido no custo do equipamento e da manutenção. Assim, o sistema deve ser focado em eficiência desde o projeto até o fim da vida de operação.

Fornecimento de ar comprimido

Avaliando o mercado e suas necessidades, a HBR criou o Air Delivery. O formato de fornecimento de ar comprimido foi desenvolvido para empresas que procuram eficiência energética, redução de custos operacionais, disponibilidade de ar comprimido e a oportunidade de manter os seus processos de produção sem ter a preocupação com a sala de compressores e outras dores de cabeça relacionadas a um sistema de ar comprimido.

“Temos uma equipe de manutenção dedicada e exclusiva. Ela é responsável pela manutenção preventiva e preditiva dos equipamentos, garantindo a operação contínua, sem interrupções. Todos os sistemas Air Delivery possuem equipamentos reserva prontos para entrada em operação automaticamente em caso de uma parada inesperada”, explica.

Durante o período de contrato a HBR aprende como a sua empresa consome o ar comprimido e indica como reduzir as perdas de carga da rede de distribuição, como reduzir os vazamentos e como melhorar os sistemas de controle e gerenciamento, tornando o sistema mais direto.

Menor consumo de energia

“Pensando em detalhes de como obter as menores perdas de carga, melhor eficiência dos resfriadores, sistemas de recuperação de calor, além de controladores e gerenciadores de energia, criamos essa solução”, explica. A redução no consumo de energia pode chegar em até 35%. De forma paralela, a sustentabilidade se faz presente. Desde 2002 a HBR oferece o Air Delivery, contando com a maior rede de ar comprimido da América Latina.

Desde o início de operação já foram economizados mais de 100.000 MW.h de energia para os clientes Air Delivery contribuindo com uma redução de 9.000 toneladas de CO2 na atmosfera. No ano de 2020 o Air Delivery economizou 20.000 MW.h, equivalente a 1.700 toneladas de CO2.

Também são utilizadas soluções especiais de tratamento de água, que requerem uma quantidade menor de água de reposição e têm baixa contaminação da água. Com isso mais de 500 milhões de litros de água foram poupados e deixados de ser descartados poluindo o ambiente.

Além das contribuições ao meio ambiente, os clientes também têm reduções nas contas de energia elétrica. Uma estimativa interna da HBR informou que os clientes do Air Delivery economizaram cerca de R$ 6 milhões em suas despesas no ano de 2020.

Para saber mais sobre a solução, basta acessar:

https://hbr.net/aluguel/air-delivery/ ou https://www.youtube.com/watch?v=xT2x_4ERoYE Produtividade x Sustentabilidade: como as corporações fazem escolhas?

Website: https://hbr.net/aluguel/air-delivery/