Home Cultura Turismo de luxo carioca aposta no Vidigal e Babilônia para se reinventar...

Turismo de luxo carioca aposta no Vidigal e Babilônia para se reinventar em 2021

Rio de Janeiro, RJ 26/5/2021 – Queremos voltar a receber os turistas, com segurança e vacinados, para que recebam uma experiência real na favelaOs concierges dos principais hotéis de luxo do Rio e representantes da prefeitura participaram no último sábado (22/05) do lançamento da Vidigal Experience, ação da agência carioca Mèrola que une o perfil do novo turista com projetos que ajudam na retomada local das favelas

Concierges e profissionais da prefeitura do Rio participaram no último sábado do lançamento da “Vidigal Experience”, uma ação que representa o início da retomada do turismo carioca seguindo todos os protocolos de prevenção à Covid-19. A ideia da agência Mèrola, especialista em atividades personalizadas, é criar um novo ecossistema no turismo brasileiro, conectando as crescentes preocupações ambientais e sociais no mundo todo com atividades que contribuam nas comunidades cariocas.

Para implementar essa nova abordagem, a empresa escolheu o Vidigal e o Morro da Babilônia como pontos de partida.

“O viajante, que há algum tempo se baseava apenas no preço para planejar suas atividades, tem procurado cada vez mais autenticidade e demonstrado preocupação em estar socialmente engajado com seu destino”, afirma Eduardo Peluzo, sócio-fundador da Mèrola. “A vontade de estar próximo das comunidades do Rio sempre existiu entre o turista estrangeiro, mas muitas vezes essa experiência foi distante, fria e sem vínculo com os moradores. As relações humanas foram alteradas de vez na pandemia e acreditamos na importância de conectar genuinamente as pessoas, além de oferecer experiências autênticas. Nosso projeto traz o turista para dentro das comunidades, conhecendo o território, ajudando na retomada da economia local e vivendo momentos inesquecíveis com os moradores.”

Em fase de testes desde o início de 2021, a “Vidigal Experience” foi lançada no último sábado e está disponível para estrangeiros que moram no Rio, turistas domésticos ou até mesmo cariocas que desejam relembrar a beleza do seu povo. Com duração aproximada de cinco horas e no valor de R$ 390 por pessoa (20% de desconto na doação de 1 kg de alimento não perecível para ajudar a organização SOS do Bem2020), a atividade é coordenada pelo “Russo”, como é conhecido o guia de turismo Edmilson Morais na comunidade, morador do Vidigal há 49 anos. A experiência conta com participação ativa em projetos de capoeira, percussão e arte, além de aprender a soltar pipa (sem cerol) e uma feijoada caseira no almoço. Tudo sendo feito com transporte seguro, todos de máscara e sem aglomeração.

“Queremos voltar a receber os turistas, com segurança e vacinados, para que recebam uma experiência real na favela, conhecendo nossa história, nossa imagem e, principalmente, nosso povo. O dinheiro contribui no desenvolvimento de novos projetos e o turista passa a se tornar uma espécie de ‘embaixador’ do Vidigal”, afirma Russo.

Além do Vidigal, a Mèrola também lança em junho uma experiência sustentável no Morro da Babilônia, zona sul do Rio, em parceria com a empreendedora local Regina Tchelly. O turista pode plantar uma semente numa horta da comunidade e participar de um almoço somente com comida orgânica e alimentos que muitas vezes são descartados, mas ainda possuem valores nutritivos. O objetivo é conscientizar as pessoas sobre o ciclo dos alimentos, reduzindo o desperdício e impctando positivamente as futuras gerações.

Os interessados em participar de alguma das experiências podem entrar em contato no site ou instagram da empresa. E nesse caminho de esperança por dias melhores, o turismo de luxo no Rio de Janeiro se reinventa com olhar voltado no seu maior patrimônio: o povo carioca.

Turismo de luxo carioca aposta no Vidigal e Babilônia para se reinventar em 2021

Website: https://www.merolaluxury.com

Previous articleHuawei discute tendências de digitalização no LATAM Carrier Digitalization Summit
Next articleA ovinocultura na agricultura familiar brasileira