Alagoas e Rio Grande do Sul devem ter PIB com maior aumento em 2021, segundo 4intelligence

    10/6/2021 – O ano de 2020 para o PIB (Produto Interno Bruto) de Alagoas e do Rio Grande do Sul não foi dos melhores, mas 2021 revela-se promissor para os dois estados. A expectativa é que tenham o maior crescimento econômico neste ano, segundo projeções realizadas pela 4intelligence, startup de soluções que apoiam a tomada de decisão por meio da análise de dados.

    Não é por acaso que as duas unidades da federação tiveram as maiores quedas no PIB em 2020. Alagoas, por exemplo, caiu 8,8% no último ano, mas agora deve registrar crescimento de 9,3%. Rio Grande do Sul teve queda de 7,7% em 2020, mas projeta aumento de 7,0% em 2021.

    O setor de serviços deve puxar a recuperação econômica alagoana ao lado do agronegócio. No Rio Grande do Sul, a agropecuária também se destaca, com crescimento projetado de 24,1%. Em todo o país, a expectativa é que o PIB cresça 3,1% neste ano, principalmente com a intensificação da campanha de vacinação.

    Apenas cinco estados devem ter queda na economia em 2021 – curiosamente todos da Região Norte, a única que teve aumento no PIB em 2020. São eles: Acre (-3,9%), Tocantins (-1,1%), Pará (-1,0%), Roraima (-0,8%) e Rondônia (-0,2%). Outras duas unidades da federação devem ficar estagnadas no ano, com crescimento abaixo de 1%: Espírito Santo (0,2%) e Mato Grosso do Sul (0,3%).

    “Como o impacto da pandemia de covid-19 aconteceu de forma heterogênea nos estados, a recuperação econômica seguirá essa lógica. Será um crescimento gradual que levará em conta não só a dinamização setorial de cada local, mas também a capacidade de cada estado em controlar o contágio do vírus e impedir novas ondas de contaminação”, explica Juan Jensen, Chairman da 4intelligence.

    Alagoas e Rio Grande do Sul devem ter PIB com maior aumento em 2021, segundo 4intelligence

    Previous articleSegundo dados, setor agro demonstrou crescimento mesmo durante a pandemia 
    Next articlePesquisa aponta que 40% dos entrevistados preferem um emprego com salário mais baixo, mas com horário flexível e trabalho remoto