Pelo sétimo ano seguido, campeão nacional do CESB usa biotecnologia em soja da Bayer

    São Paulo 22/6/2021 – Produtor do Paraná plantou variedade com tecnologia Intacta RR2 PRO® e conseguiu uma produtividade de 129,16 sacas por hectare na safra 2020/2021

    Mais uma vez tecnologia e inovação foram fatores decisivos no Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja, realizado pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (CESB). O vencedor nacional do ciclo 2020/2021, principal categoria disputada, usou sementes com tecnologia Intacta RR2 PRO®, da Bayer, e atingiu produtividade de 129,16 sacas por hectare. Este é o sétimo ano consecutivo em que o vencedor nacional planta sementes com a biotecnologia em soja da companhia.

    A premiação, que ocorreu nesta quinta-feira, 17, reconheceu os cases de sucesso dos sojicultores que conseguiram ampliar sua produtividade de forma sustentável. Segundo o CESB, todos os campeões deste ano foram mais ecoeficientes do que a média dos participantes de suas regiões. Um bom exemplo é o case campeão da região Sul e Nacional, Ernest Milla, da cidade de Pinhão, no Paraná, que reduziu em 48% o impacto ambiental e 51% o custo de produção. Ou seja, produziu mais, de forma mais sustentável, com mais cuidado com o meio ambiente e ampliando a rentabilidade.

    “A biotecnologia tem sido uma ferramenta essencial para conseguir melhorar a produtividade com o uso eficiente de defensivos. Esse uso mais eficiente torna a agricultura muito mais sustentável do ponto de vista econômico, mas principalmente do ponto de vista ambiental”, diz Karl Milla, filho de Ernest e administrador da fazenda.

    Para o diretor de Soja e Algodão da Bayer, Marcelo Neves, a biotecnologia em soja é uma ferramenta aliada do produtor, pois torna o cultivo mais eficiente, permitindo o uso de tecnologias que aumentam o potencial produtivo e reduzem as perdas na lavoura. “A tecnologia Intacta RR2 PRO® se consolidou na agricultura brasileira por unir a proteção contra as principais lagartas que atacam a cultura da soja ao manejo de plantas daninhas, possibilitando uma produção mais rentável e sustentável ao agricultor”, explica.

    Essa evolução na produção e nos índices de produtividade é comprovada em números. Nas últimas duas décadas, o Brasil saltou de pouco mais de 32 milhões de toneladas de soja para quase 125 milhões de toneladas, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab, 2020).

    O investimento em pesquisa e desenvolvimento é um dos principais fatores que proporcionam esses bons resultados que os agricultores brasileiros têm alcançado ano após ano. A chegada da biotecnologia Intacta RR2 PRO® proporcionou também o desenvolvimento de novas cultivares, com diferentes atributos genéticos para atender às particularidades da agricultura tropical. “Nós lançamos a tecnologia Intacta RR2 PRO® há sete safras e hoje ela está disponível em mais de 300 variedades adaptadas para todo o Brasil, que fazem com que ela chegue em todas as regiões produtoras do país e ajude o produtor a continuar aumentando seu potencial produtivo”, completa Neves.

    Germoplasma faz a diferença

    A escolha de cultivares de soja que se adaptem melhor às condições de clima, do solo e até mesmo de pragas e doenças faz a diferença durante a safra e para obter bons resultados, como os que foram conquistados pelos campeões nas categorias regionais do Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja.

    Para isso, a Monsoy, marca de sementes de soja da Bayer, foca no desenvolvimento de germoplasmas que se adaptem às condições adversas e às particularidades dos campos brasileiros. Com programas de melhoramento genético, estações de pesquisa de norte a sul e enorme banco de germoplasmas no país, a Monsoy busca atender as principais necessidades do agricultor, que impactem diretamente seu potencial produtivo.

    Um exemplo disso é o resultado alcançado pelo agricultor Silvio Langreberto Malutta, vencedor da categoria “Nacional Irrigado”, no Desafio do CESB. Ele escolheu a cultivar M 5917 IPRO, da Monsoy, para plantar na fazenda Fratelli, que fica na região de Itapeva, em São Paulo, e teve produtividade de 121,29 sacas por hectare. Nesta safra 2020/2021, a produtividade média do estado foi de 61,6 sacas por hectare, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

    “Já usamos essa variedade de sementes faz algum tempo, pois ela produz muito bem na nossa região. Sempre surpreendendo nas produtividades e, por isso, acaba dominando na nossa região, que tem altitude. Ela tem uma boa sanidade e é bem resistente a acamamento. Por essas razões é que nestes desafios de produtividade sempre usamos ela”, conta Malutta.

    Além deste destaque, outro campeão teve sucesso com uma cultivar da Monsoy, na categoria “Norte e Nordeste Sequeiro”, o Grupo Gorgen, de Formosa do Rio Preto, na Bahia. A variedade M 8349 IPRO registrou uma produtividade de 113,26 sacas por hectare e foi a vencedora da região.

    Para o líder Comercial da Monsoy, Antonio Everaldo, os bons resultados alcançados pelos agricultores nesta safra são fruto de uma combinação de sucesso: alto potencial do germoplasma e da biotecnologia, aliados a um bom manejo e condução das áreas. “A qualidade da semente e o potencial do germoplasma são fundamentais para o sucesso da safra, e o investimento em pesquisa e desenvolvimento está diretamente ligado a isso. Para o ciclo 2021/2022, o portfólio continua se renovando e estamos trazendo ao produtor 11 novas variedades Monsoy, com a nova tecnologia Intacta2 XTEND® e Xtend® Refúgio, para que ele continue impulsionando seus resultados e alcance um novo patamar de produtividade”, ressalta o executivo.

    Revolução para a próxima safra

    Para o próximo ciclo, a Bayer espera continuar ao lado dos produtores brasileiros com soluções que facilitem seu dia a dia. O lançamento da Intacta2 XTEND®, terceira geração de biotecnologia em soja da companhia, é prova disso e chega justamente para ajudar a alcançar novos patamares de produtividade.

    Nesta safra 2021/2022, os sojicultores já poderão plantar variedades com a nova biotecnologia desenvolvida pela companhia. A Intacta2 XTEND® desafia os patamares de produtividade atuais, além de proporcionar uma proteção mais abrangente contra lagartas da cultura (lagarta da soja, lagarta das maçãs, broca das axilas, falsa medideira, Helicoverpa armigera e Spodoptera cosmiodes) e ampliar as ferramentas de manejo de plantas daninhas. Os produtores terão à disposição também variedades Xtend® Refúgio, exclusivas para o plantio de refúgio, além de um amplo programa de treinamento e capacitação.

    Sobre o Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja

    A premiação do 13º Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja aconteceu na última quinta-feira, 17, e reconheceu sojicultores de todo o Brasil, com lavouras de sequeiro e irrigado, divididos em cinco categorias: Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste, além do campeão nacional. O índice total de produtividade desta safra supera as 118,82 sacas por hectare registradas no ciclo anterior.Pelo sétimo ano seguido, campeão nacional do CESB usa biotecnologia em soja da Bayer

    Website: http://www.bayer.com.br

    Previous articleBusca por certificados e treinamentos em Google Cloud cresce mais de 400% na pandemia, aponta Arki1
    Next articleLedWave reforça parceria com a NEOOH em maior solução de DOOH aeroportuária da América Latina