Home Cultura Brasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUA

Brasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUA



O ano de 2021 entrou para a história como o período em que mais brasileiros chegaram mais perto de realizar o chamado “sonho americano’. Segundo balanço realizado pelo escritório de advocacia AG Immigration junto ao Departamento de Segurança Interna, 12.281 cidadãos receberam a naturalização americana, um aumento de 47,5% em relação ao ano precedente, quando foram 8.323 indivíduos.

Ainda de acordo com os dados, o Brasil ocupou a 15º posição entre os países que mais requisitaram a cidadania dos Estados Unidos atrás de nações como México, Índia, Filipinas, Cuba e China, que ocuparam as primeiras colocações. Além do mais, o Brasil ocupou o oitavo lugar na lista de países que mais receberam green cards no último ano: 17.952 brasileiros obtiveram o documento, que concede o direito de morar e trabalhar por lá de forma permanente. Em relação a 2020, quando foram emitidos 16.746 documentos, o número representa um aumento de 7,2%.

Diante desses indicativos, cresce o contingente de brasileiros que têm filhos longe de sua terra natal e, portanto, com pouco contato com a língua e com a cultura do país. Ao mesmo tempo, essas crianças e adolescentes não têm domínio total da língua inglesa.

Neste cenário, uma revisora e tradutora brasileira passou, recentemente, a desenvolver um trabalho voluntário junto a essas famílias. Lindaura Moreira constatou que ainda é escasso o ensino de língua portuguesa para os estadunidenses, filhos de brasileiros, ou não.



“Dou aulas voluntárias para filhos de brasileiros naturalizados cidadãos americanos, uma atividade que visa melhorar o dia a dia dessas pessoas, ampliando suas oportunidades nos Estados Unidos. Eles nasceram aqui, têm o conhecimento da língua, se comunicam muito bem, porém, não são alfabetizados”, afirma Moreira, 

Ela conta que a atuação como revisora e tradutora no Brasil a ajuda a lecionar português para estrangeiros – também de forma voluntária. “Embora sejam atividades distintas, elas [tradução e ensino] acabam se interligando. O trabalho de tradução faz com que eu abra mais o leque de vocabulários e isso vai enriquecendo o meu léxico, que é o conjunto de palavras que as pessoas de uma determinada língua têm à sua disposição para expressar-se, oralmente ou por escrito”, explica.

Levando em consideração que os Estados Unidos está entre os principais parceiros comerciais do Brasil, ficando em segundo lugar no ranking de Exportações Brasileiras, a especialista finaliza, “essa boa relação comercial entre os países faz com que se torne ainda mais vantajoso falar inglês e impacta também no interesse dos estrangeiros em aprender a nossa língua”. 

Para mais informações, basta acessar:  

https://www.linkedin.com/in/lindaura-moreira-a83684239/

Brasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUABrasileira faz trabalho voluntário de ensino de português nos EUA

Previous articleEstudo da F5 revela como Cloud Computing e APIs se alimentam mutuamente e isso resulta em mais riscos
Next articleComo funciona a resistência do EPS, popularmente conhecido como “isopor”?
Diretor de Conteúdo do Portal Vida Moderna