Home CORPORATE Mercado Crescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestão

Crescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestão



O setor funerário movimenta cerca de R$ 7 bilhões todos os anos, segundo o Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep). Nos EUA, deverá movimentar, até 2027, US$ 42 bilhões, segundo estimativa da global Absolute Markets Insights. Este potencial de crescimento é, sobretudo, apoiado por novas tecnologias para poder atender a gestão de negócios e as demandas desse mercado.

Com o faturamento progressivo do setor, empresas de tecnologia como a Novacorp voltam-se para esse segmento trazendo novidades e soluções digitais mais condizentes às necessidades deste mercado, otimizando e qualificando a gestão da rede credenciada de prestadores de serviços (funerárias) em todo o Brasil.

Márcio Müller, CEO e sócio-fundador da Novacorp, é um entusiasta sobre novos lançamentos para o setor, a sua empresa foi pioneira no desenvolvimento de um software que possibilitou unir as demandas de funerárias e planos funerários em uma mesma plataforma, uma solução, até então, inexistente no mercado. “Foram três anos de projeto para realmente entender as suas necessidades e daí começar a desenvolver o software que levou ainda mais um ano para ser concluído”, disse.

“Conseguimos juntar dois sistemas em um só e sentimos, realmente, que o mercado é carente dessa demanda. De um produto de alta capacidade e que não exige custos com equipamentos e armazenamentos, pois também não existia nenhum produto do setor voltado para a nuvem, essa é uma outra conquista entre tantas facilidades que o software proporciona para uma gestão inteligente”, destaca o CEO.

O software da Novacorp vai ao encontro do enquadramento à lei federal de planos funerários, que passou a exigir adequação contábil e financeira de todo setor funerário. “Além da geração do carnê, cobranças e acordos, por exemplo, possuí integração 100% on-line para registros de títulos bancários com os maiores bancos do país”, afirma.

Facilidades tecnológicas que fazem o setor avançar, mas que ainda necessita de maior interesse e envolvimento das pessoas para lidar com o assunto preventivamente. No ranking Qualidade da Morte, conduzido pela Economist Intelligence Unit, o Brasil ocupa a 42ª posição entre 80 países e os planos funerários são conhecidos por apenas 65% dos brasileiros. Apesar dessa percepção, o setor continua crescendo e se desenvolvendo de modo crescente e constante.

Crescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestãoCrescimento do setor funerário demanda novas tecnologias para gestão

Previous articleNúmero de brasileiros morando em Portugal é recorde, diz SEF
Next articleBrasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários
Diretor de Conteúdo do Portal Vida Moderna