Home Novidades Denatran torna obrigatória instalação de cinto de três pontos e ISOFIX até...

Denatran torna obrigatória instalação de cinto de três pontos e ISOFIX até 2018

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) estabeleceu novos critérios para a instalação de cintos de segurança e sistema ISOFIX nos carros, comerciais leves e caminhões produzidos no Brasil. A Resolução nº 518 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (2), obriga o cumprimento da norma até 2018 para novos projetos de veículos produzidos ou importados. A regra deve ser adotada integralmente, por todas as fabricantes de veículos, até 2020.

Pela nova resolução, todas as posições dos assentos voltados para frente deverão ter cinto de segurança de três pontos com retrator. Em assentos individuais é permitida a instalação do cinto tipo suspensório. Também passa a ser obrigatório a instalação de apoio de cabeça em todas as posições de assento, com exceção dos bancos traseiros de carros esportivos.

Automóveis leves, camionetas e utilitários deverão ter no mínimo uma ancoragem do sistema ISOFIX ou posição para fixação de dispositivo para cadeirinhas de bebê no banco traseiro.

Mais segurança
As novas normas, de acordo com o Denatran, são necessárias para que a indústria brasileira acompanhe a evolução tecnológica de outros países. Além disso, considera obsoletos os requisitos de segurança atuais.

No ano passado, a Latin NCAP, que realiza os testes de colisão para aferir a segurança dos veículos produzidos no Brasil, tornou mais rígidos os critérios de classificação dos modelos, principalmente com relação à segurança das crianças. O órgão, à época, defendeu que o sistema ISOFIX fosse adotado no país com o incentivo de governos, fabricantes de carros e provedores da região a apoiar a tecnologia.

O presidente da Anfavea, Luiz Moan, afirma que as regulamentações determinadas são positivas e representam benefício aos consumidores: “Esta resolução foi uma sugestão da Anfavea, editada depois de várias reuniões técnicas com equipes do Denatran e da nossa entidade, que contaram inclusive com a presença do presidente do Contran e diretor do Denatran, Dr. Morvam Cotrim Duarte”, completou.

Previous articleMobilidade empresarial, uma necessidade
Next articleRN reduz carga tributária de autopeças para aliviar setor