Home CORPORATE Carreira Empresas apostam em jogos de escape para dinâmicas de RH

Empresas apostam em jogos de escape para dinâmicas de RH

Se por muito tempo os processos de seleção e treinamento corporativos resumiam-se a análises de currículos, entrevistas, dinâmicas e testes de habilidade, hoje as empresas mais antenadas têm buscado nos escape games uma forma mais imersiva e eficiente para… [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

…identificar perfis e avaliar competências comportamentais, seja para recrutamento interno ou externo ou até mesmo para cargos específicos como trainees.

Em São Paulo, a casa de jogos de fuga Escape Hotel registrou de janeiro a maio de 2017 um crescimento de mais de 90% na procura por companhias que desejam desafiar suas equipes na sala A Máfia, especialmente formatada para vivências e treinamentos de RH com base em elementos do mercado de entretenimento. Nela, 16 jogadores são mafiosos rivais que disputam o poder na cidade de São Paulo. A trama, porém, os obriga a se organizar, distribuir tarefas, usar o raciocínio lógico e trabalhar em conjunto para desvendar enigmas e escapar da sala. O jogo é conduzido de forma a espelhar situações do cotidiano da empresa – e, como a dinâmica é supervisionada na central de monitoramento do Escape Hotel, fica fácil para diretores, gerentes e coachings identificarem os pontos fortes e fracos de indivíduos e equipes.

“O escape game é um instrumento eficaz para mapear competências e identificar perfis pré-estabelecidos”, afirma Edson Schrot, especialista em gestão e desenvolvimento por competências e coordenador de cursos de pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas do Senac. A vantagem, segundo ele, é que a situação, apesar de divertida, é de muita pressão e acaba por revelar alguns traços de personalidade, instintos de liderança e até atitudes, que no mundo corporativo, podem vir a ser trabalhados via sessões de treinamentos customizados, feedback e coaching para aumentar o engajamento, melhorar o relacionamento interpessoal, a força do trabalho em equipe e a liderança.

Naipe de 4

Estudos realizados pelo professor Richard Bartle, um dos pioneiros da indústria de games, vão além e revelam ser possível identificar quatro arquétipos nas dinâmicas com vídeo games e jogos de escape: os que buscam se destacar, os que são conduzidos pela vontade de descobrir, os que são movidos pelo desejo de se impor, independente dos efeitos sobre os demais, e os que buscam melhor socialização com colegas. A lógica é simples: a combinação de tarefas com os desafios, feedbacks, laços de cooperação e recompensas que compõem o cenário de jogos é utilizada para motivar as pessoas a desempenhar ações de seu dia a dia. Como resultado, metas são atingidas de forma mais simples, leve e divertida.

“Jogos imersivos são importantes ferramentas de educação corporativa”, diz Patricia Estefano, sócia proprietária, junto com Vanessa von Leszna, do Escape Hotel. “Eles agregam, complementam e enriquecem processos e análises de gestão e de RH para diagnóstico, ‘tratamento’ e manutenção da saúde de empresas e equipes”.

O Escape Hotel já aplicou a nova metodologia de gamificação imersiva para seleção, treinamento e educação corporativa em dezenas de companhias de diferentes portes e segmentos, a exemplo da Abbott, Gerdau, Omint, Johnson & Johnson, Catho, PwC, DKT Prudence e Souza Cruz, entre outras. O sucesso é tanto que muitas retornam periodicamente para outras dinâmicas e outras até mantêm programas sazonais para implementação de jogos, seja nas dependências do Escape Hotel ou através de games imersivos customizados para aplicação in company.

Além de A Máfia, o Escape Hotel oferece as salas Cena do Crime, Loira do Banheiro, O Templo e DráculaA casa fica na Avenida Pedroso de Moraes 832, em Pinheiros, na capital paulista.

BOX
Os arquétipos de Bartle

Estudos psicológicos e comportamentais realizados pelo pesquisador de jogos britânico Richard Batles apontam que players de games imersivos podem ser classificados em quatro grandes grupos: Achievers (Acumuladores ou Conquistadores), Explorers (Exploradores), Socializers (Socializadores) e Killers (Lutadores). Bartle detalha as motivações de cada um dos arquétipos e como o ‘administrador’ de um ambiente imersivo pode equilibrar a coexistência dos perfis conforme seu desejo. Ou seja: do ponto de vista de treinamentos corporativos e de dinâmicas de RH é possível direcionar o jogo para reve lar características, objetivos, prioridades, contradições, visões e diversidades de equipes e indivíduos.

– Conquistadores/Acumuladores (Achievers) são focados no mundo do jogo. O objetivo é realizar missões e acumular riquezas, pontos, evolução do personagem e formas de demonstrar que estão no caminho certo. Querem acumular sempre mais e mais.

– Exploradores (Explorers) desejam interagir com o mundo do jogo. Curtem desbravar o ambiente, descobrir os aspectos do game, encontrar lugares secretos, novas funcionalidades e easter eggs.

– Socializadores (Socializers) querem interagir com outros jogadores, mesmo fora do papel de seus personagens. Gostam do lado social, das missões cooperativas, da comunicação com outros players e do trabalho em equipe.

– Lutadores (Fighters/Killers) são focados em ações nos jogadores. Bastante competitivos, buscam afirmar sua existência na competição em relação aos outros players e mostrar o quanto são bons – e até melhores que os outros. Para eles, vencer quaisquer disputas de poder e estar em rankings que exibam sua capacidade entre os melhores e sobre os outros é o supra sumo do sucesso.

Os arquétipos de Bartle são claros e dão uma boa visão, ao menos inicial, dos jogadores e dos times – que no pós imersão dos jogos de escape poderão ainda passar por coaching para engajamento e team building através do desenvolvimento individual e coletivo dos colaboradores.

[/read]

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Empresas apostam em jogos de escape para dinâmicas de RH

Previous articleBrasileiro e a insana mania de economizar em coisas erradas
Next articleQual a vantagem da saída HDMI OUT?