Home CORPORATE Empreendedorismo Especialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomínios

Especialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomínios



Desde que a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) – Lei nº 13.709/2018 – foi publicada, vieram à tona diversas questões com relação a sua amplitude. Dentre os principais debates, surgiram dúvidas sobre a aplicação da lei aos condomínios, sobretudo este ano, quando a  ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados) regulamentou a norma para essas propriedades.

“Em um condomínio, há o recolhimento de informações pessoais de funcionários, moradores e terceiros que circulam nele. Portanto, é fundamental conhecer que o condomínio precisa de LGPD”, afirma a Dra. Ana Paula Siqueira Lazzareschi de Mesquita, diretora de Inovação da Class Net, empresa que atua com treinamentos e educação digital.

Mesquita destaca que, em um condomínio, as informações não são coletadas da mesma maneira que acontecem em empresas, com objetivos de venda. Entretanto, é obrigatório que o local siga as normas da LGPD. A seguir, a reportagem organizou os cinco motivos elencados pela especialista pelos quais os condomínios precisam de LGPD e como se adaptar ao regulamento:

1 – Tratamento de informações



Ana Paula Siqueira afirma que, para que um condomínio possa se adaptar à lei, é necessário reduzir riscos, evitando coletar informações sem utilidade. “Previamente, é necessário entender quais informações a administração possui das pessoas que circulam pelo lugar e definir quem terá acesso a esses dados. Essas informações não devem ser abertas ao público, e ter seu acesso limitado. Além disso, o armazenamento deve ser feito de maneira apropriada e segura, para impedir vazamentos”, explica.

2 – Política de privacidade

Segundo a especialista, os moradores devem ser instruídos a respeito da proteção de dados e da existência de políticas e documentos que visam proteger a privacidade de qualquer pessoa que está na propriedade. Desse modo, todos entenderão claramente como são tratadas as informações e quais serão as boas práticas esperadas.

3 – Contratos de colaboradores e terceiros

Ana Paula Siqueira destaca que todos que participarem do tratamento de dados, seja na coleta, utilização ou compartilhamento, precisarão responder de maneira solidária, se houver infrações e danos à lei. “O condomínio deverá ter contratos entre funcionários e organizações terceirizadas, com cláusulas específicas relativas às informações. Caso o condomínio conte com soluções de empresas de segurança remota que realizam controle por câmeras, a privacidade dos dados necessita ficar especificada em contrato. Desse modo, a responsabilidade das partes envolvidas deve estar bem traçada”, expõe.

4 – Biometria e informações sensíveis

A diretora de Inovação da Class Net chama a atenção para o fato de que, além de informações pessoais e documentos de identificação, há um grupo próprio na LGPD que é relacionado às informações biométricas. “Fazem parte deste grupo dados pessoais sensíveis, incluindo religião, etnia ou raça, opiniões políticas e adesão a sindicatos ou organizações religiosas ou políticas. Desse modo, quando esses dados são coletados, existem métodos específicos a serem tomados, como a assinatura de um termo de consentimento”, informa.

5 -Termo de consentimento

Ana Paula Siqueira ressalta que uma das bases legais para a implementação de LGPD em um condomínio é o consentimento do titular, que deve concordar que suas informações sejam coletadas e tratadas – o que nem sempre é obrigatório. É possível tratar dados pessoais baseados em outros motivos, como o cumprimento de obrigação legal ou regulatória. “Pela lei, o consentimento deve ser uma manifestação livre, informada e inequívoca, através do qual o titular aceita o tratamento de suas informações pessoais para um propósito determinado, sendo anuladas as autorizações genéricas”.

Outrossim, prossegue, o consentimento apenas poderá ser considerado informado caso, antes da coleta dos dados, o titular esteja ciente do tratamento e do seu objetivo. O consentimento também pode ser revogado a qualquer hora pelo titular, sendo informado a ele sobre as consequências da revogação ou recusa. 

A especialista destaca que é penalidades aos condomínios são previstas em lei, já que a LGPD aponta sanções como advertência, multa de até 2% do faturamento, limitada a R$ 50 milhões por infração; multa diária, limitada a R$ 50 milhões por infração; publicização da infração; e bloqueio dos dados pessoais a que se refere a infração.

Além disso, prossegue, estão previstas penalidades como eliminação dos dados pessoais a que se refere a infração, suspensão do funcionamento do banco de dados, a que se refere a infração por 6 meses, prorrogável por igual período, suspensão do exercício da atividade de tratamento dos dados pessoais a que se refere a infração pelo  período de seis meses – prorrogável por igual período – e, ainda, a proibição parcial ou total do exercício de atividades relacionadas a tratamento de dados.

“Apesar disso, as sanções apenas poderão ser aplicadas após um procedimento administrativo que possibilite uma ampla defesa ao condomínio infrator. Portanto, fica assegurado o direito de defesa do condomínio em caso de infração da LGPD”, finaliza.

Para mais informações, basta acessar:https://classnet.tech/curso-do-lgpd-blindado/

Especialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomíniosEspecialista explica importância da aplicação da LGPD nos condomínios

Previous articlePositivo Tecnologia apresenta Positivo Labs em Manaus
Next articleAs possibilidades da ciência de dados aplicada à medicina
Diretor de Conteúdo do Portal Vida Moderna