Durou menos de 1 dia a prisão do vice-presidente do Facebook para a América Latina, Diego Dzodan. O executivo foi preso nesta terça-feira, 1o. de março, em São Paulo, pela Polícia Federal, com mandado expedido por um juiz da cidade de Lagarto, em Sergipe. Mas na manhã desta quarta-feira, um habeas corpus foi concedido e o executivo deve ser solto nas próximas horas.

Dzodan foi peso, de acordo com o mandato expedido, após reiterado descumprimento de ordens judiciais, que solicitavam informações que suspeitos trocaram pelo WhatsApp (empresa que pertence ao Facebook). Elas seriam usadas para produzir provas em uma investigação de tráfico de drogas do crime organizado.

O alvará de soltura cita que o executivo não deveria ser preso porque não é parte no processo nem investigado no inquérito policial. “Mesmo neste exame inicial, vejo que o paciente está a sofrer evidente coação ilegal, eis que me parece açodada a decretação da medida extrema de prisão na hipótese versada”. O habeas corpus ainda cita “evidente coação legal”.

O caso dessa investigação de crime e as reiteradas negações do Facebook em fornecer dados que…[LEIA MAIS]