Home Cultura Nomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no Brasil

Nomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no Brasil



Para Gabriel Franco, CEO da Lamego, Startup lançada em 2021 voltada para o Crowdwork, a ferramenta faz parte da economia colaborativa onde pessoas de qualquer lugar do mundo podem entregar produtos aos seus clientes. Deste modo, há descentralização e clara liberdade financeira e independência geográfica. Algo inimaginável para muitos brasileiros.

Segundo o Observatório Europeu da Vida Profissional (EUROWork), a modalidade Crowdwork de trabalho possibilita a terceirização de serviços e tarefas no mundo online.  Essa prática profissional é realizada exclusivamente através de plataformas digitais em que empresas apresentam suas demandas e são executadas por profissionais habilitados, sendo indiferente em relação ao local onde vivem.

Inspirado nisso, Franco iniciou uma startup que propõe um crowdwork no qual profissionais testados, conhecidos como freelancers,  possam entregar tarefas online para agências de marketing credenciadas por todo o mundo, com isso, é possível ter uma melhor qualidade de vida com trabalho home office ou viajando pelo mundo.

Dá para ganhar dinheiro trabalhando com Crowdwork?



Segundo o relatório Panorama das Agências Digitais, em 2021 houve um aumento exponencial de demandas nas agências de marketing. Dia após dia, elas buscam profissionais qualificados para produzir e conduzir projetos de pequeno e longo prazo, mas sem sucesso. Há ainda uma grande escassez de profissionais para atender essa demanda, conforme apontou Ian Dodson, Diretor da Digital Marketing Institute. Não são só as agências de marketing que estão sofrendo com isso. Calcula-se que na área de TI e programação faltam cerca de 70 mil profissionais no Brasil, conforme pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação (Brasscom).

Baseado nessas demandas, a ideia de Franco foi criar uma startup brasileira preocupada em suprir estas necessidades. A Lamego trabalha com pessoas que prestam serviços para atender as demandas do mercado digital, além de possuir vários freelancers cadastrados para cada tipo de tarefa que passaram por baterias de testes práticos visando garantir qualidade e cumprimento dos prazos de entrega, e um sistema com automações que validam tudo que é efetuado por profissionais habilitados em diversas partes do mundo.

Para Paloma Coitin, uma das nômades digitais da Lamego, o nomadismo digital é uma forma de garantir liberdade geográfica, possibilitando trabalhar de qualquer lugar do mundo através de uma plataforma online. Atualmente, a nômade relata que plataformas de crowdwork possibilitam ampliar a renda mensal. Para ela, “através desse tipo de plataforma eu recebo os trabalhos sem precisar negociar diretamente com os clientes ou ‘leiloar’ os meus serviços em sites de freelancer, algo que não tenho paciência para fazer”.  Já Nicolle Bottino, que está atuando há um mês como nômade digital, ainda se sente insegura com a flexibilidade e a liberdade proposta pelo Crowdwork, mas tem a impressão de que o volume de tarefas online só vem aumentando e logo ela vai viver somente da plataforma. Outro nômade escutado nesta reportagem, Guilherme D’Avila, assegura que sua mochila está pronta para conhecer os mais diferentes lugares do mundo, uma vez que só precisa de um computador, conexão de internet, uma cadeira e uma bela paisagem para trabalhar pela plataforma. De fato, mediante a independência geográfica, Guilherme, assim como qualquer outro nômade digital, pode trabalhar enquanto visita familiares, passeia com amigos ou conhece lugares paradisíacos.

Benefícios do Crowdwork para agências de marketing

Na metodologia de Crowdwork proposta pelo CEO da Lamego, a agência contrata a plataforma e não um freelancer. Com tal diferencial, o Crowdwork se afasta das plataformas tradicionais de contratação de mão de obra, onde o cliente poderá se deparar com profissionais sem a formação ou capacidade técnica necessária ou a não entrega combinada, incidente que leva a prejuízos diretos ao material final entregue ao contratante.

As agências só podem participar da plataforma mediante a um convite. Isso se dá para manter a qualidade da prestação de serviços e controlar a capacidade e a qualidade de entrega, justifica Franco. Segundo Gabriel, para tentar receber um convite, basta entrar em contato com a Lamego e caso sua agência atenda os requisitos, poderá receber a resposta por e-mail solicitando uma reunião online.

Portanto, apesar de novo, o Crowdwork pode gerar muita escalabilidade para as agências de marketing. Devido à disponibilidade de mão de obra, sem a necessidade de processo seletivo e ampliação de custos operacionais. 

Para mais informações, basta acessar o site ou o Instagram: @lamego.com.vc
Website para nômades: https://nomade.lamego.com.vc

Nomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no BrasilNomadismo digital e Crowdwork conquistam adeptos no Brasil

Previous articleMarketing digital para divulgação de serviços médicos exige regras
Next articleInformationShow, congresso sobre gestão de informações, chega à 11ª edição