Home Tech Digital Sinal 5G já está em operação no Brasil

Sinal 5G já está em operação no Brasil



De acordo com a Anatel, o Grupo de Acompanhamento da Implantação das Soluções para os Problemas de Interferência na faixa de 3.625 a 3.700 MHz (Gaispi) aprovou a liberação do sinal 5G, inicialmente na cidade de Brasília, a partir do dia 6 de julho. A instituição ainda confirma que as próximas capitais a receberem a nova tecnologia são São Paulo, Belo Horizonte, João Pessoa e Porto Alegre, ainda sem data confirmada. 

Segundo a agência, o serviço deve estar disponível em 80% da capital, principalmente no Plano Piloto. Em janeiro deste ano a Anatel divulgou uma lista atualizada de aparelhos celulares homologados pela reguladora e que são compatíveis com o sinal 5G.

A tecnologia foi amplamente abordada no Painel Telebrasil 2022, o maior evento de telecomunicações, conectividade e inovação do país. O assunto “Brasil depois do 5G” foi tema principal de palestras e apontou que os principais desafios para implantação estão na infraestrutura, nos investimentos, na regularização e no comportamento da população para receber toda essa tecnologia.

Durante o evento foi informado por José Félix, presidente da Claro, que, inicialmente, o lançamento do 5G virá como apenas uma atualização e evolução à geração anterior, assim como foi com o 4G e 3G, e posteriormente, as aplicações irão surgir. 



Para o CEO da Azul Operadora Brasil (operadora de celular digital), Tiago José Caumo, a entrada do país no mercado do 5G promete uma mudança nos serviços de telecomunicações, na organização das redes e também no cenário econômico. “O 5G será habilitador. Trazendo novos desafios na infraestrutura, investimentos, regularização e no comportamento da população para receber essa tecnologia. Essa reorganização e evolução se torna mais um modelo para competitividade no mercado, além de poder oferecer maior atenção em inovação e qualidade do serviço”, comenta. 

Novas tecnologias no setor de telecomunicações

Pesquisas do TIC 2020 mostram que o uso de tecnologias digitais no Brasil aumentou 12% em 2019, comparado ao ano anterior. Seguindo o mercado em ascensão, além dos bancos digitais, outros segmentos de empresas surgem com a proposta 100% digital. 

Em 2019, de acordo com a análise da Teleco, o número de empresas licenciadas para operar como operadoras de Telefonia Móvel por Rede Virtual (também conhecidas pelo termo em inglês Mobile Virtual Network Operator – MVNO) ou como agregadoras de MVNOs no Brasil, aumentou de 24 em 2019 para 90 em 2020.

No final de 2021, segundo o  Relatório de acompanhamento do setor de telecomunicações, havia 122 MVNOs operando sob a licença credenciada e 10 sob a licença autorizada no final de 2021.

Segundo Tiago, esse tipo de serviço é uma porta de entrada para atingir as novas exigências do mercado, principalmente quando falamos em consumidores que prezam pela praticidade. “A autonomia que o consumidor tem para escolher os produtos e serviços que interessam faz com que aumente a exigência da praticidade e de um atendimento com excelência.”

Diferença entre operadoras tradicionais e MVNOS

As operadoras de Telefonia Móvel por Rede Virtual possuem funcionamento idêntico ao das operadoras tradicionais, porém não têm rede ou frequência própria. Para que esse serviço seja disponibilizado, é necessário uma parceria entre a operadora virtual e a tradicional, a fim de utilizar a infraestrutura para disponibilizar os serviços.

Para saber mais, basta acessar: https://azulcelular.com.br/

Sinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no BrasilSinal 5G já está em operação no Brasil

Previous articleIBRI participa de debate de estudo do MZ Group sobre Formulário de Referência
Next articleAtivista em prol das pessoas com deficiência pleiteia aumento de verba