Home CORPORATE Estudo aponta que PMEs não estão preparadas para a transformação digital

Estudo aponta que PMEs não estão preparadas para a transformação digital



São Paulo 18/3/2021 – Pesquisa da Cisco aponta para o atraso digital de pequenas e médias empresas no Brasil. Resistência à mudança, escassez de talentos e falta de tecnologias são os principais obstáculos para a transformação digital, de acordo com empreendedores brasileiros 

A Pesquisa Estudo de Maturidade Digital das Pequenas Empresas 2020, promovida pela Cisco Systems – transnacional norte-americana focada em soluções de comunicação em rede -, indica que empresas de pequeno porte ainda têm níveis baixos de digitalização no Brasil.

Ainda assim, o estudo revela que as expectativas para esse segmento são altas: pequenas empresas podem ser responsáveis pelo acréscimo de até US$ 2,3 trilhões ao PIB mundial até o ano de 2024. Dados levantados pelo estudo sugerem que mais da metade (51%) das empresas analisadas ainda estão na fase inicial da transformação digital, chamada de Fase 1 ou Digital Indifferent.

A expectativa dos especialistas é de que a digitalização de PMEs possa somar até US$ 9 bilhões ao PIB brasileiro até 2024. Pequenos empresários parecem já ter tomado consciência de que a digitalização é importante: no total, 67% afirmam que trazer novos produtos para o mercado faz parte de suas estratégias de digitalização.

A pesquisa foi conduzida pela IDC, empresa de inteligência de mercado, em pequenas empresas de países da América do Sul e da América do Norte, como o Brasil, Chile, México, EUA e Canadá, e também da Europa, como Reino Unido, França e Alemanha.

Os impactos da pandemia na economia de pequenas empresas

É impossível analisar o cenário de crescimento para pequenas empresas sem passar pela pandemia de 2020. De acordo com pequenos empresários entrevistados, as áreas que mais sofreram impacto nesse período foram os estilos de trabalho, com 14% dos relatos; fluxo de caixa, também com 14%; produção de vendas, com 13%; e produção, igualmente com 13%.

Apesar disso, a grande maioria dos empresários donos de pequenas empresas (96%) afirmou que seus negócios, mais do que nunca, ficaram mais dependentes da tecnologia durante a pandemia da Covid-19. Para 81% deles, a pandemia vai ter seu papel em acelerar a transformação digital de suas empresas.

No total, 62% dos entrevistados acreditam que a digitalização do negócio é um fator crucial para aumentar a organização interna das empresas e torná-las mais resilientes para passar por adversidades futuras. Dentre os maiores desafios relatados por empreendedores brasileiros, a resistência à mudança (18%), escassez de talentos dentro da organização (17%) e falta de tecnologias (12%) são os principais empecilhos para o desenvolvimento digital das pequenas empresas.

Transformação digital: por onde começar?

O estudo também aponta que, dentre os principais investimentos em tecnologia, os seguintes se destacam: soluções para tornar o trabalho remoto mais eficiente (44%); tecnologias para otimizar o processo de vendas on-line (44%); e investimento em estratégias para ajudar o negócio a passar por crises (42%). Empreendedores pretendem aplicar tais soluções dentro dos próximos 18 meses, segundo dados.

Donos de lojas virtuais precisam, ainda, de soluções para proteger suas operações. Muitos, portanto, passaram a investir em sistemas antifraudes, recursos de face match, análise de crédito e muitos outros recursos que tornam a compra em ambientes digitais mais segura.

Para Rafael Albuquerque, CEO da Unitfour, empresa especializada em soluções com dados, essas medidas podem fazer mais do que apenas proteger o negócio, mas também ajudar a fechar novas vendas: “É importante reunir informações úteis e atuais sobre seus clientes para que seja possível realizar o contato sempre que necessário”.Estudo aponta que PMEs não estão preparadas para a transformação digital

Website: https://www.unitfour.com.br/



Previous articleMaior feira de intercâmbio virtual do mundo acontece dia 24 de março
Next articlePesquisa aponta que viagens mais curtas serão a preferência dos brasileiros em 2021