Conquistar espaço num ambiente musical extremamente competitivo, onde despontam apenas os grandes, bem assessorados e competentes fenômenos como Anitta, Pablo Vittar e astros milionários do sertanejo universitário, não é tarefa fácil. [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

Mas há músicos que continuam apostando em propostas que buscam resgatar a originalidade dos ritmos e a beleza das composições da música popular brasileira.

Este ano, o maior prêmio da música independente do mundo, o 16th Independent Music Awards (IMA) selecionou sete artistas nacionais. Que têm em comum exatamente o fato de não abrirem mão de suas expressões musicais autênticas e vinculadas a emoção brasileira.

Um feito inédito em termos de número de representantes nacionais, já que em 15 anos dessa premiação, apenas outros 7 brasileiros estiveram presentes.

No 16º IMA os representantes brasileiros concorrem com  mais de 400 indicados de 94 países, em 96 categorias de prêmios, explica a cantora e compositora Lisa Kalil, uma das indicadas ao prêmio.

E isso pode significar que o Brasil tem a chance de voltar a ser mundialmente reconhecido em termos de inovação. “O Brasil ganhou expressão internacional com o samba-canção, a bossa nova, a tropicália e toda uma geração de gênios musicais que hoje está com mais de 70 anos, como o Chico, Gil, Caetano, Ney Matogrosso e tantos outros”, lembra Lisa. A reinserção internacional a partir dessa premiação independente pode ajudar outros músicos e grupos musicais a se inspirarem e a se entusiasmarem pela oportunidade.

São sete diferentes experiências musicais, vinculadas aos ritmos e à poesia de raiz, de várias regiões do país, pois há representantes da Paraíba, Rio, Brasília, Paraná e São Paulo. Dos 7 indicados, 4 são mulheres e todos passaram a compartilhar experiências em um grupo de facebook criado por Lisa, a partir do momento em que ficaram sabendo da indicação.

“Participar do prêmio IMA é um novo incentivo para continuarmos a investir na carreira e significa que o mercado internacional continua aberto à nossa criatividade musical. Estamos valorizando muito nossa participação e até conseguimos que o Consulado do Brasil em Nova York nos receba em audiência especial”, explica a cantora.

A cerimônia de premiação ocorrerá no próximo dia 31 de março, no Lincoln Center, em Nova York, com direito a tapete vermelho. Desde a primeira edição do prêmio IMA, em 2001, apenas 7 brasileiros tiveram indicações ao prêmio.

Quem são os brasileiros indicados no 16th IMA:

– Lisa Kalil (São Paulo – SP) – Best Debut Album com “VITRAIS”

– Gabriella Grisi (João Pessoa – PB) – Best Latin EP com “Cravo e Canela”

– Delia Fischer (Rio de Janeiro – RJ) – Best Latin Song com a música “Mercado”

– Jô Nunes (Curitiba – PR) – Best Long Video com DVD “Meu Canto Brasileiro”

– Sai da Frente (Brasília – DF) – Best Debut Album, Best Latin Album com disco homônimo – Sai da Frente

– Celso Salim Band (Brasília – DF) – Best R&B/Soul Song, com a música “Mama’s Hometown”

– Gustavo Ballesteros (Rio de Janeiro – RJ) – Best Song Instrumental, com a música “Tocata”

O IMA e a evolução internacional da música independente
O IMA (Independent Music Awards) é formado por uma comunidade global de artistas inovadores, profissionais do mercado musical internacional e fãs engajados com a música independente. A premiação dirige-se apenas aos músicos que empreendem seus próprios álbuns e equivale, em termos de importância internacional, aos “grammys” capitaneados pela indústria das grandes gravadoras.

O júri e os ganhadores não recebem recompensas financeiras, mas ganham acesso e apoio internacional de uma rede de outros artistas e amantes da música para que o seu trabalho seja intensivamente divulgado e torne-se mundialmente reconhecido. Os jurados avaliam trabalhos encaminhados de todos os continentes em 96 categorias, que incluem, entre outras, “melhor álbum”, “melhor EP”, “melhor música” (de vários tipos), “melhor álbum de estréia”, “melhor produção”, “melhor fotografia” e até “melhor design”.

Entre os jurados deste ano estão grandes nomes da música internacional, como Tom Waits , Amy Lee, Slayer, os brasileiros do Sepultura e muitos outros consagrados. Ao longo dos 16 anos do prêmio, Já foram jurados personalidades como Amanda Palmer, Alejandro Sanz, Aimee Mann, Dido, Cindy Lauper, Erykah Badu, Keith Richards, Lou Reed, entre outros.

E os premiados de um ano também contribuem com suas opiniões nas próximas edições, gerando um circuito de suportes mútuos entre os artistas independentes, que envolvem mais de 650 estações de rádio em 12 semanas de intensa campanha promocional.

O prêmio já revelou nomes que se tornaram importantes nos últimos anos no cenário artístico internacional, como Amy Lee (Evanescence), Camila Meza (fenômeno latino), Rachel Potter (finalista USA Xfactor 2013), Meghan Trainor (“All about that bass”) e a internacionalmente conhecida DragQueen RuPaul (RuPaul’s Drag Race).

[/read]

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Brasileiros tem indicação recorde para o maior prêmio de música independente do mundo

 

Veja também
Pesquisa aponta que The Beatles é o grupo musical mais indicado para treinar inglês
“Despacito” foi a música mais mencionada no Twitter durante o Grammy 2018
Projeto Guri abre inscrições para intercâmbio musical na Noruega, Malawi e Moçambique