Henry Hamon Pereira, Renato Banzai e Henrique Gonçalves Dias são três desenvolvedores e programadores do Brasil que acabam de se destacar internacionalmente ao vencer as duas primeiras edições do InterSystems IRIS Programming Contest de 2020. [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

A etapa é de uma série de competições realizadas online pela InterSystems entre os integrantes da Developer Community. O principal objetivo do concurso é incentivar desenvolvedores a criar aplicações de código aberto que contribuam com a melhoria da qualidade de vida das pessoas e de profissionais.

Uma imagem contendo desenho
Um dos critérios para participação é que as aplicações sejam desenvolvidas em código aberto e compatíveis com a plataforma de dados InterSystems IRIS. Um dos desenvolvedores brasileiros que saíram vencedores nas duas primeiras etapas de 2020 foi Henry Pereira. Sua aplicação SQLBuilder foi a mais bem votada pela comunidade na primeira etapa.

“Minha ideia foi de facilitar a vida dos desenvolvedores com uma linguagem funcional que deixasse os códigos mais limpos e concisos”, explica. Pereira diz que seu app facilita a montagem de buscas por informações, as torna mais dinâmicas e simples, além de poder ser usada em outras ferramentas da InterSystems como Ensemble, HealthShare e Caché. Pereira passou a contribuir na Developer Community porque é aficionado por linguagens e ferramentas “open source”. Atualmente, trabalha para laboratórios de análises clínicas.

Na segunda etapa, Henry teve uma nova aplicação em destaque, desta vez em segundo lugar na votação da comunidade na categoria de projetos de “Simple-spellchecker”.

Ficou atrás somente de outro brasileiro, Henrique Gonçalves Dias, que foi o grande vencedor nas categorias Experts Nomination e Community Nomination com o projeto “IRIS-history-monitor” – foi uma ferramenta das mais baixadas pelos colaboradores da Developer Community.

Anteriormente, na primeira etapa do ano, Henrique foi avaliado em terceiro lugar pelo júri de especialistas. Dias apresentou um conjunto de ferramentas, entre elas a ISC-Utils, que atraiu a atenção na comunidade pela versatilidade.

“É como se fosse um conversor de unidades de medidas com histórico de dados e até contribui com informações para previsão do tempo”, afirma Dias. Ele atua como gerente de sistemas de um órgão do judiciário federal e vai continuar contribuindo na comunidade e desenvolvendo novos apps porque gosta muito de ideias práticas.

“Esse relacionamento é produtivo, me motiva e ajuda os profissionais a se desenvolverem, como acontece com o Brasil há anos nessa área de TI.”

Para Alexandre Tunes, country manager da InterSystems no Brasil, “é um orgulho muito grande ter brasileiros vencedores do nosso concurso, pois sabemos que o país tem profissionais com potencial de concorrer no mercado de trabalho em qualquer lugar do mundo”. “Continuaremos a trabalhar para estimular cada vez mais os desenvolvedores de aplicações open source”, completa Tunes.

Para saber detalhes da conquista contada pelos próprios protagonistas, acesse o Podcast aqui.

IRIS Online Programming Contest
Para participar do concurso, os desenvolvedores devem seguir alguns requisitos como publicar o seu app como código aberto sob uma certa licença (por exemplo, licença MIT); o app deve ser aprovado e publicado no Open Exchange; o app deve usar o InterSystems IRIS ou o InterSystem IRIS for Health.

Já como critérios de avaliação para definir os vencedores, as ferramentas devem ter como conceito tornar o mundo um lugar melhor ou melhora a vida de um desenvolvedor; ter a melhor funcionalidade; e ter um código legível.

Para fomentar constantemente o trabalho dos desenvolvedores, a InterSystems programou um evento IRIS Online Programming Contest por mês até novembro deste ano.

 

[/read]
 

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Brasileiros vencem concurso da InterSystems Developers Community

 

Veja também
Google Maps 15 anos: Veja 15 lugares incríveis do Brasil no Street View
WhatsApp Web receberá recurso para chamadas de vídeo com até 50 participantes
Ensino universitário e mercado de trabalho: mind the gap