Foto de Mario Castelo

Nesta quarta-feira (6), às 11h, o Memorial da América Latina abrirá as portas para a exposição “Refugiados da Casa de Passagem Terra Nova”. Serão expostos 26 retratos, em preto e branco, de refugiados acolhidos no equipamento social do Governo do Estado de São Paulo. São fotografias de famílias que vieram da Angola e do Congo, em busca de novas oportunidades.  A abertura oficial terá a presença do presidente do Memorial da América Latina, Irineu Ferraz. [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

Os fotógrafos Eduardo Tarran e Mario Castello realizaram, de forma voluntária, registros dessas pessoas que escolheram o Brasil na tentativa de reconstruir suas vidas.  A exposição ficará em cartaz até dia 7 de janeiro de 2018, na Biblioteca Latino-Americana.

Este é o primeiro equipamento de acolhimento social do Estado de São Paulo para solicitantes  de refúgio e vítimas de tráfico de pessoas. Atende prioritariamente famílias com filhos de até 18 anos e mulheres grávidas e já  acolheu mais de 400 pessoas, desde a inauguração em 2014. O local é gerenciado pela Coordenação Regional das Obras de Promoção Humana – CROPH.

Com o total de 50 vagas, a Casa de Passagem funciona 24 horas e oferece apoio social, psicológico e jurídico; atividades de convivência, pedagógicas e culturais; orientação profissional; oficinas   de idioma; auxílio para inclusão produtiva; e encaminhamentos para a rede de políticas públicas necessárias ao empoderamento e fortalecimento dos usuários para sua inclusão e garantia de seus direitos.

Serviço:

Abertura oficial: 06/12/2017 (quarta-feira), às 11h

Exposição: 06/12/2017 (quarta-feira) à 07/01/2018 (domingo)

Horário: Terça-feira a domingo, das 9h às 18h – Entrada gratuita

Local: Memorial da América Latina

Endereço:  Avenida  Auro  Soares  de Moura Andrade, 664 – Barra Funda – São Paulo/SP

Espaço: Biblioteca Latino-Americana do Memorial – Acesso pelo Portão 2 (Rua Tagipuru)

 

[/read]

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Memorial da América Latina expõe retratos de refugiados acolhidos no Estado de São Paulo