Pesquisa realizada pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital também mostra engajamento menor entre perfis com grande número de seguidores

Ter seguidores falsos é algo inevitável para os influenciadores digitais. É o que aponta o novo estudo desenvolvido pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital (NiMD) da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), que analisou 25 importantes influenciadoras digitais da área de moda, beleza e qualidade de vida. Os dados foram coletados por uma ferramenta de inteligência artificial durante o mês de junho.

O estudo mostra que os influenciadores digitais, independente do nível de abrangência, possuem cerca de… [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

…15% e até 25% de seus seguidores formados por perfis falsos ou que utilizam ferramentas para gerar interações automatizadas. É um percentual razoavelmente alto, de acordo com o professor Eric Messa, coordenador do NiMD.

“Esses dados apontam para a hipótese de que a existência de contas falsas (fake followers) é uma constante que não se pode evitar, seja para influenciadores com mais de 1 milhão de seguidores ou mesmo para os menores, com até 10 mil”, destaca. Mas o especialista alerta que a existência de seguidores falsos não é uma prova concreta de compra de fake followers. “Para que passem despercebidas, contas falsas começam a seguir influenciadores por iniciativa própria”, diz.

Nesse sentido, o professor Eric Messa reforça que o volume de seguidores de um influenciador digital não é uma boa métrica para medir a possível interação, repercussão ou o alcance de uma publicação. Para isso, segundo ele, existem métricas mais eficazes como a de engajamento, ou seja, percentual de seguidores que costumam curtir ou comentar no perfil, e o engajamento autêntico, que são as interações identificadas pela ferramenta de análise como feitas por pessoas reais. Outra medição que pode ser utilizada é o índice de qualidade de audiência, que faz o cruzamento de métricas.

Esse é o primeiro estudo feito pelo CooLAB, uma nova área do NiMD criada para desenvolver análises com a colaboração de professores, alunos e ex-alunos. O objetivo foi identificar seguidores falsos e sua interferência no engajamento dos perfis que utilizam o Instagram para expor seu cotidiano e estilo de vida.

“Este é um ponto fundamental e que chama a atenção das empresas, que desejam saber o retorno efetivo sobre o investimento que fazem em campanhas utilizando influenciadores digitais”, afirma Eric Messa.

As 25 influenciadoras selecionadas para o estudo foram divididas em cinco grupos, a partir do número de seguidores: celebridades (com mais de 1 milhão); influenciadores digitais (com mais de 1 milhão); influenciadores que possuem entre 200 mil e 500 mil; influenciadores que possuem entre 20 mil e 50 mil; e microinfluenciadores, que possuem entre 3 mil e 10 mil seguidores.

Engajamento
De acordo com os dados analisados pela ferramenta de inteligência artificial, em geral, quanto maior o número de seguidores, menor o índice de engajamento obtido pelo perfil. Microinfluenciadores com até 10 mil seguidores costumam ter uma interação proporcionalmente maior em suas publicações.

No entanto, o percentual de engajamento autêntico (interações feitas por pessoas reais) é maior – em torno de 60% — entre os perfis de celebridades com mais de um milhão de seguidores. No caso de influenciadores digitais, o índice fica por volta de 45%.

Outro dado relevante é que o percentual de pessoas reais que seguem um perfil diminui um pouco conforme também cai o volume de seguidores. Com isso, microinfluenciadores possuem uma porcentagem de pessoas reais entre seus seguidores menor do que um influenciador digital ou celebridade com mais de 1 milhão de seguidores.

Diante desse resultado, o estudo comprova que o percentual de “seguidores em massa” (pessoas ou aplicativos automatizados que seguem mais de 1.500 perfis no Instagram) de um microinfluenciador também é maior, se comparado aos outros grupos. Isso acontece, segundo o professor Eric Messa, em razão estratégia utilizada para angariar seguidores e ampliar o alcance do perfil. É comum a prática de seguir muitas pessoas, e outros influenciadores, na expectativa que eles sigam de volta.

Um dado revelador é que “além de se tratar de uma prática comum entre os influenciadores com menos público, parece que esse comportamento é maior entre os brasileiros, que tendem a seguir mais perfis no Instagram, se comparados a influenciadores de outros países com mesmo número de seguidores”, explica o professor Eric.

O estudo completo desenvolvido pelo CooLAB, da FAAP, pode ser baixado no link: www.faap.br/nimd. Nele, é possível visualizar todos os detalhes e quadros comparativos dos cinco grupos analisados. O objetivo do novo grupo é apresentar dados e insights em prol do desenvolvimento dessa área. “É de extrema importância o desenvolvimento de estudos sobre influenciadores digitais brasileiros, uma vez que há um movimento de crescimento dessa área, a partir do envolvimento de grandes empresas, mas faltam referências e, de um modo geral, mais maturidade”, finaliza o professor.

[/read]

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA

Veja também
Como podemos combater o discurso de ódio dos haters da Internet

Conheça os 10 mandamentos para que as empresas não pequem nas redes sociais
Mercado de hackers que sequestram contas nas redes sociais cresce descaradamente