Home Cultura Quem vai ganhar a Copa do Mundo 2022?

Quem vai ganhar a Copa do Mundo 2022?

Estatística e probabilidade são conceitos matemáticos que podem ajudar a conhecer o vencedor mesmo antes de o evento começar.

Copa no app


A Copa do Mundo 2022 acontecerá entre os dias 18 de novembro e 22 de dezembro, no Catar. Serão 32 seleções na disputa pelo título, das quais 14 já estão classificadas e têm a participação confirmada, como é o caso do Brasil.

Diante dos preparativos para a realização do mundial, os apaixonados por futebol fazem suas apostas sobre qual país vai se consagrar como o campeão. 

Muito além da torcida, há apostas que são embasadas em avaliações matemáticas para que possam ser mais certeiras. De acordo com o cálculo de probabilidades, a chance de um país vencer o mundial é uma em 32, o que corresponde a apenas 0,03%.

Calcular a probabilidade significa analisar as possibilidades de um evento acontecer diante de um determinado universo, também chamado de “espaço amostral”. Na Copa do Mundo, esse universo engloba 32 seleções de futebol, e o evento é a conquista do título. 

Se inicialmente, no entanto, todas as seleções têm a mesma chance de vencer o torneio, outro conceito matemático ajuda a afunilar essas opções: a estatística. Neste caso, os especialistas em futebol avaliam matematicamente o desempenho individual dos jogadores e da equipe como um todo, considerando o histórico em partidas.  

A análise estatística costuma ser bastante aprofundada e, a partir destas informações, um novo cálculo de probabilidades, com maior precisão, pode ser realizado. 

Chances do Brasil na Copa 
A equipe do portal El Futbolero Brasil realizou um estudo para analisar a probabilidade de a seleção brasileira conquistar o hexa. Para isso, foram observados os dados sobre as edições anteriores do mundial, o desempenho das seleções e o ranking da Federação Internacional de Futebol (FIFA). 

De acordo com o estudo, a metodologia empregada foi a Distribuição de Poisson, com o auxílio da linguagem de programação Python. Os resultados apontaram que o Brasil tem 32% de chances de vencer a disputa. 

O estudo, no entanto, mostra um cenário mais favorável para a França conquistar o tricampeonato. As seleções do Brasil, da Argentina e da Itália aparecem em segundo, terceiro e quarto lugares, respectivamente. 

O imprevisível 7×1 
Apesar de a matemática indicar os cenários mais prováveis para qualquer disputa esportiva, alguns acontecimentos imprevisíveis sempre estão sujeitos a acontecer. A derrota do Brasil por 7×1 para a Alemanha, na Copa do Mundo de 2014, se enquadra nesse tipo de situação. 

Naquele ano, o estatístico norte-americano Nate Silver, que ficou mundialmente conhecido por fazer projeções corretas sobre os resultados das eleições presidenciais de 2008 e 2012 nos Estados Unidos, calculou as probabilidades da Copa do Mundo.

O estudo de Silver apontou o Brasil com 91% de chances de vencer o mundial em casa, seguido por Argentina (89%), Alemanha (88%), França, Chile (ambos com 87%) e Holanda (86%). 

A realidade da semifinal da Copa do Mundo de 2014 corroborou com os nomes apresentados pelo estudo. Naquela etapa da competição, a seleção brasileira — tida como favorita ao título — enfrentou a Alemanha, enquanto a Argentina e a Holanda disputaram a outra vaga para a final. 

O resultado da partida, que terminou com a vitória da Alemanha por 7×1 sobre o Brasil, jamais foi previsto. A goleada promovida por Thomas Müller, Miroslav Klose, Toni Kroos, Sami Khedira e Andre Schürrle no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, sequer foi cogitada por especialistas ou torcedores de ambas as seleções. 

A final da Copa do Mundo daquele ano foi disputada pelos países que, no estudo de Silver, apareceram com a segunda e a terceira maior probabilidade de serem campeões: Argentina e Alemanha. O título acabou nas mãos dos alemães, que se consagraram tetracampeões mundiais.

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA

Mitos e verdades sobre o refrigerador side by side da Samsung, com três portas
Previous articleRadware apresenta primeira plataforma de mitigação DDoS terabit do setor
Next articleMercado de trabalho em segurança cibernética tem alta demanda por profissionais