Home Cultura Uso de águas subterrâneas pode ser saída para enfrentar insegurança hídrica

Uso de águas subterrâneas pode ser saída para enfrentar insegurança hídrica



O uso de águas subterrâneas para abastecimento humano e outras necessidades não é uma novidade e, segundo a Associação Brasileira de Águas Subterrâneas (Abas), praticamente todos os países exploram esse recurso. Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Holanda, Hungria, Itália, Marrocos, Rússia e Suíça são alguns dos países onde de 70% a 90% da demanda de abastecimento é suprida pelas águas subterrâneas. Olhando para o Brasil e, especialmente para o estado do Rio de Janeiro, o aumento do uso deste recurso pode ser uma das saídas para resolver a insegurança hídrica.

Em 2016, segundo dados da Agência Nacional de Águas (ANA), 42% dos municípios brasileiros tinham os mananciais subterrâneos como fonte principal para abastecimento público da população. Os outros 58% dos municípios se utilizavam de águas superficiais, como rios.

Atento a essa possibilidade de exploração, o Subcomitê Leste do Comitê de Bacia da Região Hidrográfica da Baía de Guanabara discute o tema “Potencial de exploração de águas subterrâneas na Região Leste, seus riscos e seus impactos” em mais uma Roda de Conversa, no dia 30 de junho. O evento, virtual e gratuito, é o terceiro de uma série de sete, que vão basear um workshop sobre Segurança Hídrica, planejado para 2023.

O que são águas subterrâneas?



Água subterrânea é toda aquela que se encontra abaixo da superfície, se alojando em poros ou vazios das rochas e formando lençóis freáticos e aquíferos. A água subterrânea, que é doce e limpa, é responsável pelo abastecimento de rios, lagos, lagoas e outros corpos hídricos naturais. Além disso, é explorada para abastecimento público da população, empresas e indústrias, no Brasil e no mundo.

O uso doméstico é feito através de poços artesianos, que só podem ser construídos com autorização do Poder Público.

O Brasil é abundante em água doce. Exemplo disso é fato de o país abrigar, junto com os vizinhos Argentina, Uruguai e Paraguai, o Aquífero Guarani, um gigantesco reservatório com mais de 1,2 milhão de km² e capacidade de armazenar até 160 trilhões de litros de água. Reconhecido como o maior aquífero do mundo, sua maior porção, equivalente a 840 km², está em território brasileiro.

3ª Roda de Conversa

Para tratar do uso das águas subterrâneas, especialmente na região do Subcomitê Leste do CBH Baía de Guanabara, o evento vai receber Gerson Cardoso, geólogo, professor e coordenador do Laboratório de Hidrogeologia do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IGEO-UFRJ), e Décio Tubbs Filho, também geólogo, professor do curso de Geologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e coordenador da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Rio de Janeiro (CERHI-RJ).

Serviço

Evento: 3ª Roda de Conversa do Subcomitê Leste do CBH Baía de Guanabara

Tema: Potencial de exploração de águas subterrâneas na Região Leste, seus riscos e seus impactos

Dia: 30/06

Horário: 14h

Transmissão ao vivo pelo Canal do CBH Baía de Guanabara no YouTube

Gratuito e aberto ao público

O Comitê

O Comitê da Região Hidrográfica da Baia de Guanabara e Sistemas Lagunares de Maricá e Jacarepaguá é uma entidade colegiada do Sistema de Gerenciamento de Recursos Hídrico, composta por representantes do poder público, usuários e sociedade civil, respeitando a paridade entre eles. Por meio de uma gestão participativa e descentralizada, o comitê é responsável por mediar conflitos e conciliar interesses diversos, de forma a garantir disponibilidade de água para diferentes fins e promover o aumento da qualidade dos mananciais da bacia.

Uso de águas subterrâneas pode ser saída para enfrentar insegurança hídricaUso de águas subterrâneas pode ser saída para enfrentar insegurança hídricaUso de águas subterrâneas pode ser saída para enfrentar insegurança hídricaUso de águas subterrâneas pode ser saída para enfrentar insegurança hídrica

Previous articleSamsung SDS desenvolve novo programa de RPA
Next articleÉ possível construir uma residência de campo com pouca manutenção
Diretor de Conteúdo do Portal Vida Moderna