Home Cultura Exames de imagem: afinal, o que cada um deles pode revelar?

Exames de imagem: afinal, o que cada um deles pode revelar?

Veja as indicações dos principais procedimentos e como a tecnologia pode torná-los mais rápidos e precisos



Muitas vezes ao deixar o consultório médico o paciente leva para casa a prescrição para fazer um exame de imagem e junto com ela carrega várias dúvidas: o procedimento será desconfortável? É invasivo? Pode causar algum tipo de dano? Por que o profissional optou por esse exame? A radiologia é uma área da medicina que avança rápido, pois se beneficia dos avanços da tecnologia para oferecer um número cada vez maior de equipamentos que possam contribuir para diagnósticos mais precisos e aumentar o conforto dos pacientes.

A escolha depende do que o médico pretende examinar. O procedimento para descobrir uma fratura, por exemplo, pode não ser o mesmo para investigar a presença de um tumor. O exame de imagem, associado aos dados laboratoriais e a avaliação clínica pode ser determinante para confirmar, descartar, ou até mesmo apontar para uma nova hipótese diagnóstica. Para ajudar você a entender melhor cada procedimento, veja como funcionam os principais exames radiológicos.

Raio X 
O raio-X é o mais antigo dos exames de imagem, foi descoberto em 1895, na Alemanha. Ele não causa nenhum tipo de desconforto, é não-invasivo e funciona usando radiação em baixas doses para identificar alterações nos ossos e órgãos. O exame é capaz de mostrar fraturas e também ajuda a identificar doenças como a pneumonia. Tem baixo custo, é rápido, e por isso muito usado em hospitais e emergências.

A tecnologia digital tornou o raio-x ainda mais eficiente, isso porque os aparelhos não precisam dos tradicionais filmes, pois capturam a radiação que passa pela área examinada e a transformam em impulsos elétricos, gerando a imagem que vai direto para o computador.

Tomografia computadorizada
Assim como o raio-X, a tomografia computadorizada também usa radiação, mas é um exame com abrangência maior, pois permite a visualização em múltiplos planos, e em diferentes dimensões. O examinador pode analisar cada estrutura corporal em “fatias” e assim consegue avaliar cada plano de frente, de lado ou de cima. A tomografia é muito utilizada para detecção de tumores, mas também é determinante para identificar traumatismos cranianos.

O paciente fica deitado e imóvel na mesa de exame e passa por uma espécie de túnel que emite e detecta os feixes de raio X. Depois é feito o processamento das imagens que chegam ao médico para o laudo.

Ressonância magnética
A ressonância magnética produz imagens em alta definição, superiores a tomografia, sem utilizar radiação. Suas principais indicações são nas áreas de ortopedia, mas é na neurologia que costuma ter papel decisivo na detecção de doenças. Muitos pacientes identificam a ressonância magnética por conta dos sons que são emitidos durante o exame, geralmente batidas contínuas e rápidas, quando o paciente está dentro do túnel do aparelho.

Isso ocorre porque por causa do aumento da corrente elétrica nos fios dos magnetos gradientes que estão enfrentando a resistência do campo magnético do aparelho. Para amenizar o desconforto os pacientes recebem protetores ou fones de ouvido para abafar o barulho. E a tecnologia é uma grande aliada para tornar o exame mais confortável.

Ultrassonografia
O ultrassom funciona com base na emissão de ondas sonoras de alta frequência. O exame é muito usado para acompanhamento da gravidez, mas tem uma indicação mais ampla, como análise de traumas e doenças do abdômen. É aquele procedimento em que o examinador espalha um gel pela área a ser avaliada e percorre o local com um equipamento chamado transdutor. As imagens são geradas e analisadas em tempo real.

Aparelhos de alta tecnologia oferecem avanços como a Elastografia Shear Wave, uma das mais recentes aplicações do ultrassom na medicina. Nela, o aparelho mede a velocidade das ondas geradas pelo tecido do paciente, as transforma em uma escala de cor, por meio da qual é avaliada a elasticidade do tecido. Com esses dados é possível determinar, por exemplo, se um nódulo na mama ou na tireoide, possui características benignas ou malignas, ou o grau de fibrose no fígado.

O grande benefício dessa tecnologia é que ela pode evitar a realização de uma biópsia, diminuindo assim o desconforto do paciente e gerando economia.

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA

Mitos e verdades sobre o refrigerador side by side da Samsung, com três portas
Previous articleLG oferece descontos exclusivos nesta Black Friday para compras em sua loja online
Next articleEncontro Nacional ABRINT 2021 debate questões regulatórias e transformação digital