Por Jared Spataro *

Nos últimos quatro meses, o trabalho mudou drasticamente. Mas essas mudanças vão persistir no futuro? [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

Nosso segundo relatório Índice das Tendências de Trabalho explora essa ideia combinando insights de três fontes: tendências sobre como nossos clientes usam nossas ferramentas; achados da pesquisa de Harris Poll com mais de dois mil trabalhadores remotos em seis países; e conclusões de mais de 30 projetos de pesquisa por meio da Microsoft que procuraram entender a experiência dos trabalhadores remotos atualmente via enquetes, entrevistas, estudos diários, grupos focais, e estudos do cérebro humano.

Nosso objetivo com essa pesquisa é descobrir os bons e maus aspectos do trabalho remoto para que possamos acelerar o desenvolvimento de produtos nas áreas certas, antecipar como o trabalho irá mudar no futuro e ajudar nossos clientes a prosperar nesse novo mundo do trabalho. Leia nossas principais descobertas.

Ondas cerebrais revelam – fadiga de reunião remota é real
Um ponto negativo do trabalho remoto comumente discutido é que pode parecer mais desafiador ou cansativo do que pessoalmente. Pesquisadores do nosso Laboratório de Fatores Humanos recentemente se propuseram a entender esse fenômeno. As reuniões remotas de trabalho e vídeo realmente sobrecarregam nosso cérebro mais do que o trabalho pessoal? A ciência do cérebro sugere que sim.

Colaboração remota é mais difícil, mas a transição de volta para o pessoal tão difícil quanto
Em um estudo, a equipe pediu a 13 duplas para completar tarefas semelhantes juntas – uma vez pessoalmente e outra remotamente. Os participantes usavam um dispositivo EEG (Eletroencefalograma) que monitorava as alterações nas ondas cerebrais. O estudo descobriu que colaboração remota é mais desafiante mentalmente do que a feita pessoalmente.

Especificamente, os padrões de ondas cerebrais associados ao estresse e excesso de trabalho eram muito maiores quando a colaboração era remota do que presencial. Mas eles descobriram algo inesperado também: se a dupla trabalhasse junto primeiro remotamente, suas ondas cerebrais sugeriam que era mais difícil para eles trabalharem juntos pessoalmente depois.

Parece que a conexão social e as estratégias de trabalho criadas ao trabalhar pessoalmente são transferidas para um ambiente remoto, mas o contrário é falso. Esse estudo forneceu dois aprendizados importantes. Em um mundo que está caminhando para um trabalho mais remoto, as pessoas consideram o trabalho remoto mais desafiante mentalmente.

Mas também, à medida que as pessoas retornam ao trabalho pessoal mais frequente à medida que a pandemia diminui, pode parecer mais difícil do que antes da COVID-19.

Videoconferências levam à fadiga
Um segundo estudo constatou que os indicadores de ondas cerebrais associados ao excesso de trabalho e estresse são significativamente mais altos em videoconferências do que em trabalhos que não são realizados em reuniões como escrever e-mails. Além disso, devido aos altos níveis de concentração sustentada, a fadiga começa a se estabelecer em 30-40 minutos em uma reunião.

Olhando para os dias cheios de videoconferências, o estresse começa a se estabelecer em cerca de duas horas no dia. A pesquisa sugere vários fatores que levam a esse sentimento de fadiga: ter que se concentrar continuamente na tela para extrair as informações relevantes e permanecer engajado; mensagens não verbais reduzidas que ajudam a ler a sala ou a saber de quem é a vez de falar; e compartilhamento de tela com pouca visão das pessoas com as quais você está interagindo.

Para ajudar com isso, nós recomendamos fazer intervalos regulares a cada duas horas para permitir que o seu cérebro recarregue, limitar conferências a 30 minutos, ou conciliar longas reuniões com pequenos intervalos quando possível.

A pandemia pode ter mudado a cultura organizacional para sempre
Em toda nossa pesquisa, um dos temas mais consistentes foi que essa circunstância única acelerou a mistura de trabalho e vida – o que poderia suavizar a dinâmica do local de trabalho para sempre.

Mais da metade dos pais que pesquisamos (54%) disse que está sendo difícil equilibrar as demandas domésticas enquanto trabalha em casa. Esse fardo foi sentido mais fortemente pelos millenials – que atualmente são a maior geração na força de trabalho dos EUA – e pelos novos participantes da força de trabalho, a geração Z.

Isso pode ser porque esse grupo provavelmente está encarregado de cuidar de crianças mais novas ou compartilhar espaços de trabalho com colegas de quarto enquanto gerencia um emprego em período integral.

Embora equilibrar os cuidados com as crianças com o trabalho remoto possa ser temporário, isso pode mudar a maneira como nos sentimos em relação a nossos colegas de trabalho a longo prazo. 62% das pessoas pesquisadas disseram que se sentem mais empáticas com os colegas agora que têm uma visão melhor da vida em casa. Esse sentimento foi especialmente pronunciado na China e no México, onde 91% e 65% dos pesquisados se sentiram mais empáticos, respectivamente.

“Nós aceitamos o trabalho de casa como estilo de vida. Na minha empresa, eles disseram que você pode dedicar tempo durante o dia para lidar com as crianças e se conectar mais tarde. Eu sinto um alívio por entenderem o impacto que isso tem, ter seus filhos em casa” – Information Professional (Profissional da era Informação)

Em alguns casos, a mudança para um trabalho mais remoto também está tornando o trabalho mais inclusivo. Mais da metade (52%) das pessoas pesquisadas sentiram-se mais valorizadas ou incluídas como colaborador remoto nas reuniões porque todo mundo está agora na mesma sala virtual. Esse sentimento foi mais fortemente mantido por pessoas na China (65%) e Alemanha (57%).

Vimos também que os chats em reuniões se tornaram um canal para mais pessoas compartilharem sua perspectiva. Especificamente, as mensagens do chat nas reuniões do Teams aumentaram mais de 10 vezes, de 1 de março a 1 de junho.

O horário de trabalho das 9 às 5 pode estar desaparecendo
Em nosso último relatório, vimos, de 1 a 31 de março, que o tempo médio entre o primeiro e o último uso do Teams de nossos clientes aumentou em mais de uma hora. Nesse relatório, nós exploramos esse conceito ainda mais – o horário das 9h às 17h e semana de trabalho de cinco dias estão desaparecendo? Os dados sugerem que sim. No Teams, as pessoas estão trabalhando mais frequentemente nos períodos da manhã e da noite, mas também nos fins de semana.

Os chats do Teams das 8h às 9h e das 18h às 20h cresceram mais do que qualquer outra hora do dia – entre 15% e 23%. O trabalho no fim de semana também está aumentando – os chats do Teams aos sábados e domingos aumentaram mais de 200%.

Vemos essa mistura de trabalho e vida como uma tendência duradoura no local de trabalho, com potencial para a tecnologia ajudar a aliviar alguns dos desafios que vêm com ela. Você verá que continuamos inovando nas áreas de análise organizacional e bem-estar dos funcionários em um futuro próximo.

Escritórios físicos não desaparecerão no futuro do trabalho
Muitos trabalhadores em todo o mundo passaram os últimos quatro meses trabalhando remotamente pelo menos em período parcial. Como as equipes se ajustaram a esse normal, muitos estão se perguntando – os escritórios físicos desaparecerão no futuro do trabalho? Nossa pesquisa indica que o trabalho provavelmente será uma mistura fluida de colaboração pessoal e remota.

Por exemplo, 82% dos gestores pesquisados espera ter políticas de trabalho em casa mais flexíveis pós-pandemia. Enquanto isso, 71% dos funcionários e gestores relataram o desejo de continuar trabalhando em casa pelo menos em período parcial. Também ouvimos sentimentos semelhantes em nosso grupo focal.

Ainda assim, nossa pesquisa descobriu vários pontos negativos associados ao trabalho em casa. Quase 60% das pessoas pesquisadas se sente menos conectado aos colegas desde que trabalham remotamente com mais frequência. Na China, esse número subiu para 70%.

Além disso, apenas 35% dos entrevistados em um estudo têm um escritório dedicado em casa. E apenas 5% das pessoas que pesquisamos em nossa Harris Poll vivem sozinhas. Portanto, não é surpresa que distrações, problemas de conexão e falta de ambientes de trabalho ergonômicos tenham sido observados ao longo de nossa pesquisa como alguns dos principais pontos negativos do trabalho remoto.

Isso indica que, embora o futuro do trabalho seja mais remoto do que nunca, o espaço físico do escritório – que traz benefícios como conexão, espaços de trabalho ergonômicos e oportunidades para conexão social e vínculo de equipe – provavelmente continuará sendo uma parte essencial do futuro do trabalho.

Conclusão
Ao todo, essa mudança global para o trabalho remoto criou oportunidades e desafios para o futuro das nossas forças de trabalho. Do lado positivo, a circunstância única de trabalhar e aprender em casa como uma família criou mais empatia entre colegas de equipe e mudou a percepção de gestores e funcionários que o trabalho pode ser feito remotamente. Também tornou o trabalho mais inclusivo para colaboradores remotos.

Do lado desafiador, um trabalho mais remoto pode levar a horas de trabalho prolongadas, fadiga de reuniões e conexões pessoais perdidas, como conversas espontâneas nos corredores, que podem unir uma equipe e facilitar a colaboração. E a falta de espaços de trabalho em casa conectados e confortáveis continua sendo um desafio à produtividade para a maioria de nós.

 

* Jared Spataro é Vice Presidente Corporativo, Microsoft 365

 

[/read]
 

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
O futuro do trabalho - o bom, o ruim e o desconhecido

 

Veja também
Brasil Game Show de 2020 é oficialmente adiada
LG apresenta novo Monitor UltraWide Gamer
Ensino universitário e mercado de trabalho: mind the gap