Apresentando nos estados de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, o ônibus movido a biometano pode ser a futura tendência em eficiência energética no transporte público de massa. O primeiro exemplar em circulação no país roda a partir do envasamento do gás produzido com dejetos de aves poedeiras.

“Fabricado na Suécia, o veículo atende à normativa Euro 6 e é considerado um dos mais modernos do transporte público do mundo, com motor dedicado ao uso tanto do com gás natural veicular (GNV) quanto do biometano como combustível. Ele emite 70% menos poluentes que um similar a diesel”, explica Silvio Munhoz, diretor de Vendas de Ônibus da Scania no Brasil.

O Grupo Scania pretende inserir a nova tecnologia no mercado nacional, incorporá-la no transporte urbano, intermunicipal ou em fretamentos. A Associação Brasileira de Biogás afirma que o biometano deve ser integrado à matriz de combustíveis no país. Atualmente, a regulamentação do uso do combustível segue em consulta pública aberta pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Em Itaipu, onde rodou mais de 3 mil quilômetros, o ônibus apresentou uma economia de 56% em relação a um veículo movido a diesel. O veículo tem 15 metros de comprimento, dois eixos direcionais e capacidade para levar 120 passageiros. Além de rodar com biometano, o motor também aceita gás natural ou a combinação dos dois.

O ônibus movido a biometano já é referência em países da Europa e da América Latina. É abastecido no Brasil com o GNVerde. Produzido a partir da transformação de resíduos orgânicos em um gás equivalente ao gás natural, o GNVerde possui alto teor de metano (acima de 96,5%).