Home Tech Digital Professor alerta para os novos desafios da revolução digital

Professor alerta para os novos desafios da revolução digital



Os poderes transformadores da inteligência artificial, Big Data, Internet das Coisas, tecnologias móveis e blockchain vão gerar uma quarta revolução industrial, de acordo com o coordenador do MBA em Marketing Digital da Fundação Getulio Vargas (FGV), André Miceli. [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

Segundo ele, a evolução deve aumentar padrão, expectativa e qualidade de vida. No entanto, ressalta que também pode ter efeitos disruptivos, sobretudo no mercado de trabalho.

“Todo esse processo tem implicações sociais, em organizações e indivíduos. A evolução está ganhando velocidade. Das muitas áreas impactadas, as mais relevantes são sustentabilidade ambiental e empregos e habilidades”, aponta.

Dados do World Economic Forum que mostram que a cada aumento de 1% no PIB global, as emissões de CO² aumentaram aproximadamente 0,5% e o uso estimado de energia da rede bitcoin, que é responsável pela verificação das transações feitas com a criptomoeda, é de 30.14TWh por ano, o que excede o de 19 outros países europeus.

“Isso significa que a rede consome cinco vezes mais eletricidade do que é produzido pelo maior parque eólico da Europa, o London Array. Nos níveis atuais de consumo de eletricidade, cada transação individual de bitcoin usa quase 300KWh de eletricidade – o suficiente para ferver cerca de 36 mil chaleiras cheias de água”, explica.

Em relação ao emprego, estima-se que as perdas globais de empregos devido à digitalização variam de 2 milhões a 2 bilhões de postos até 2030. Segundo o especialista, existe uma grande incerteza, com preocupação também com seu impacto nos salários e nas condições de trabalho.

Ele ainda alerta que os ” Millennials” (geração nascida nos anos 90 e também conhecida como “Geração Y”) possuem uma relação diferente com o “ter”, ao contrário das anteriores. Tal fato explica em parte, o surgimento cada vez maior de empresas de compartilhamento. A falta destes desejos permitirá uma vida mais barata.

“O escritor Yuval Noah Harari – autor do artigo ‘O Significado da Vida em um Mundo sem Trabalho’ – diz que eles serão “inúteis”, pois não produzem e não querem nada. Essa observação pode ser suficiente para mostrar a necessidade de uma possível renda mínima universal que pode se tornar fundamental para garantir a capacidade a estes, que ficarão incapazes de se empregar. Por fim, a popularização dos mecanismos de realidade virtual e aumentada acabará também por intervir no modo de vida desta classe. Então, é muito provável que muitos deles vivam um ambiente paralelo. Ficarão imersos nas redes sociais e na internet, sempre em uma realidade virtual”, observa.

Lado positivo da revolução industrial – Um diferencial competitivo fundamental, tanto para indivíduos, quanto para organizações, será a capacidade de as empresas melhorarem o conhecimento de seus funcionários em áreas lógicas como programação e análise de dados. “Somente desta maneira se criará uma geração de talentos que esteja pronta para os desafios que se apresentarão em praticamente todos os segmentos da economia”, analisa o professor.

Para os governos, o desafio é igualmente urgente. “O aumento da desigualdade com todos os seus impactos e a deflação salarial ou mesmo a agitação social requerem ação imediata para capacitar a força de trabalho, ajustar as questões ambientais e de segurança fomentando a inovação, o empreendedorismo e a otimização do processo de transformação digital”, orienta Miceli.

 

[/read]

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Professor alerta para os novos desafios da revolução digital

 

Veja também
Você sabe o que é Blockchain?
Digital workspace e colaboração: a evolução do home office
CNH Digital deve estar disponível em todo o Brasil até fevereiro

Previous articleIguassu Golf Tour 2018 abre a temporada de golfe em Foz do Iguaçu
Next articleBanda EVA comanda Grito de Carnaval em bloco de rua nos Jardins, Zona Oeste de SP
Translate »