Home Novidades União investiu 67,5% do orçamento para transporte em 2014

União investiu 67,5% do orçamento para transporte em 2014



A União investiu 67,5% dos recursos previstos para o setor de transporte em 2014. O levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT) aponta que foram gasto R$ 12,8 bilhões dos R$ 18 bi autorizados.

Do montante, R$ 7,5 bi constam como restos a pagar, ou seja, valores autorizados em anos anteriores e liberados somente no ano passado. Do que foi autorizado para o orçamento de 2014, foram pagos R$ 4,6 bi, que representam 25,5% do total.

Entre todos os setores, o modal rodoviário foi o mais privilegiado, com R$ 8 bilhões investidos em 2014, 67,7% do que foi autorizado para o setor. Quanto ao percentual, o ferroviário teve a maior fatia: 77,9%. Foram pagos R$ 2,2 bi dos R$ 2,8 bi liberados. Já o aéreo recebeu 70,6%, com um total de $ 1,6 bi dos R$ 2,2 bi autorizados. O modal aquaviário recebeu a menor parcela – 25,6% – com R$ 239,2 milhões pagos.

R$ 1 trilhão
O Brasil precisa de R$ 1 trilhão em investimentos para mais de 2 mil projetos prioritários de infraestrutura e transporte. O levantamento da CNT aponta falhas em todos os modais, tanto no transporte de cargas como de passageiros como problemas graves para o desenvolvimento econômico do país.

As propostas que constam no plano de transporte e logística formatado pela confederação têm o objetivo de contribuir para alavancar o desenvolvimento do país, reduzir os custos logísticos, aumentar a competitividade dos setores produtivos e permitir mais segurança e desempenho aos transportadores e à população. São intervenções condizentes com o desenvolvimento econômico e social desejado ao Brasil, que contemplam obras de modernização e ampliação de rodovias, aeroportos, portos, hidrovias, ferrovias e também dos terminais de cargas e de passageiros.

Os projetos urbanos incluem 18 regiões metropolitanas e propõem soluções para atender às demandas de transporte da população. Entre as sugestões estão implantação de corredores de ônibus, monotrilhos, metrôs e trens, além da construção de terminais de passageiros. Para a CNT, estes investimentos podem ser realizados com o apoio da iniciativa privada.

Previous articleJustiça recusa pedido do MP de suspensão em reajuste na tarifa de ônibus no Rio
Next articleSete mil metalúrgicos da Volkswagen cruzam os braços contra demissões em SBC