Home Cultura Inteligência Contra Ameaças Cibernéticas: profissão está em alta no mercado de trabalho

Inteligência Contra Ameaças Cibernéticas: profissão está em alta no mercado de trabalho

Instituto oferece capacitação para profissionais do setor e conta com corpo docente com os principais especialistas atuantes no mercado

Cibercrime


As ameaças cibernéticas são uma preocupação constante das empresas. O termo se tornou popular no setor de segurança, já que é um perigo contra a integridade dos dados da companhia. Os cibercriminosos manipulam e destroem sistemas com potencial para danificar organizações, roubar dados sensíveis dos funcionários e clientes, e vazar informações confidenciais.

“Por conta disso, percebemos um crescimento durante os últimos anos pela busca de profissionais de segurança e inteligência cibernética na América Latina, que atuem em defender a organização de tais ataques”, explica Thiago Bordini, Diretor de Inteligência Cibernética.

Pensando nisso, o Instituto Daryus de Ensino Superior Paulista (IDESP) apresenta a primeira pós-graduação em Cyber Threat Intelligence (CTI) no Brasil, que visa suprir a demanda do mercado de trabalho em busca de profissionais capacitados.

O curso, que antes era restrito apenas aos policiais e às forças armadas, tem como objetivo preparar os alunos para o mercado de trabalho e fornecer o entendimento aprofundado sobre os ataques cibernéticos para proteger as empresas.

“Temos muito orgulho de oferecer aos profissionais mais essa pós-graduação. Reunimos os melhores especialistas do mercado para disponibilizar o melhor conteúdo para os alunos”, comemora Nadia Guimarães, COO do Grupo Daryus, referência em consultoria empresarial e educação nas áreas de tecnologia e gestão.

Thiago Bordini possui mais de 20 anos de experiência no mercado de inteligência cibernética e é o coordenador técnico da pós. O corpo docente conta ainda com Ana Moura, Digital Forense do Governo do Estado de São Paulo; Emerson Wendt, delegado de polícia; Marcelo Caiado, assessor-chefe da Assessoria Nacional de Perícias em TIC-MPF; Marcos Tupinambá, coordenador do Laboratório de Crimes Eletrônicos da Polícia Civil; Ricardo Tavares, coordenador técnico da pós-graduação Cyber Security do IDESP; Raniere Romera, Silvana Tavares e Paula Guerra, especialistas em cibersegurança.

“O curso foi elaborado para os profissionais de empresas privadas e públicas, que já atuam ou desejam trabalhar na área. O foco do CTI é ensinar o mindset de inteligência cibernética. Por esse motivo, contamos com os melhores professores da área e o conteúdo apresenta casos reais para os alunos solucionar”, explica Bordini.

Os interessados na pós-graduação em Cyber Threat Intelligence terão carga horária de 180 horas. Dia 20 de março, o IDESP disponibilizará um aulão gratuito para todos os inscritos. “Será uma boa oportunidade para conhecer o curso e verificar se é a melhor escolha para a carreira profissional do aluno”, comenta Nadia. As aulas serão online com transmissões ao vivo. Para a primeira turma, o IDESP está oferecendo uma condição especial do valor total.

Para se inscrever, basta preencher o cadastro neste link.

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA

Quais os cuidados com os cães no verão?
Previous articleBMW Group do Brasil aumenta produção de sua fábrica em Araquari (SC) em 2021
Next articleInternational Baccalaureate nomeia Olli-Pekka Heinonen como oitavo diretor-geral