Por Sundar Pichai *

Este ano, assim como muita gente, tenho podido passar mais tempo em espaços abertos – seja levando o cachorro para passear ou fazendo caminhadas com a família. Esse contato próximo com a natureza me faz valorizar ainda mais o trabalho que vem sendo feito para preservar o planeta e protegê-lo para as próximas gerações. Ao mesmo tempo, queimadas e outros desastres climáticos no mundo são um lembrete de que este é um trabalho de extrema urgência.

Ontem comemoramos o Dia da Terra. Por isso, fico feliz de falar sobre os avanços que o Google vem fazendo rumo à nossa meta de operar usando apenas energia sem emissão de CO² até 2030 – 24 horas por dia, 7 dias por semana . Esse compromisso vai além de sermos neutros em carbono (coisa que já somos, desde 2007) e de compensar nossas operações com 100% de energia renovável (coisa que já fazemos há quatro anos ).

Ao longo da próxima década, temos o objetivo de fazer com que todos os centros de dados, regiões com operações de nuvem, escritórios e campi do Google funcionem usando eletricidade limpa o dia inteiro, o tempo todo. Hoje, tenho o prazer de anunciar que cinco centros de dados (localizados na Dinamarca, Finlândia, e nos estados americanos de Iowa, Oklahoma e Oregon) já estão funcionando com quase 90% de energia livre de CO².

Avanços rumo a energia limpa 24 horas por dia
Graças sobretudo a novos projetos de energia limpa, temos observado um aumento no uso de energia livre de CO² em vários lugares onde operamos. Até o momento, o Google já investiu cerca de US﹩ 4 bilhões na compra de energia limpa, vinda de mais de 50 projetos eólicos e solares de todo o mundo, até 2034. No ano passado, muitos desses projetos começaram a funcionar – incluindo centenas de turbinas eólicas e painéis solares novos, que melhoram o desempenho energético de diversos centros de dados do Google.

Um exemplo: uma nova fazenda eólica em alto mar está fornecendo eletricidade para o centro de dados da Bélgica, e novos projetos de energia solar estão abrindo caminho para um aumento de quase 17 pontos percentuais do desempenho livre de CO² do centro de dados que funciona no estado americano da Georgia.

Além de comprar energias renováveis, estamos progredindo rapidamente rumo ao objetivo de contar com energia sem CO² o tempo todo, graças a outras estratégias. Esse trabalho inclui a adoção de baterias para o backup de centros de dados , avanços no rastreamento de energias limpas ao longo do tempo e a possibilidade de que clientes de Google Cloud escolham regiões com emissões mais baixas.

Apoio a qualquer pessoa que queira fazer escolhas mais sustentáveis
Em setembro, assumimos o compromisso de garantir que nossos produtos ajudem um bilhão de pessoas a fazer escolhas mais sustentáveis até 2022. Em breve o Google Maps irá mostrar, por padrão, a rota com a menor pegada de carbono até o destino pesquisado, e permitirá ao usuário comparar o impacto de CO² de diferentes percursos.

Nos Estados Unidos, os termostatos Nest estão ajudando os clientes a economizar bilhões de quilowatts de energia. E, graças a quase quatro décadas de imagens registradas de todo o planeta, o recurso Timelapse do Google Earth , lançado na semana passada, ajuda todo mundo a entender melhor os impactos das mudanças climáticas.

Nossa meta de CO² zero é tão ambiciosa quanto outros objetivos que já foram considerados malucos, como construir um computador quântico ou desenvolver um carro autônomo. Nunca estive tão otimista em relação à nossa capacidade coletiva – de governos, empresas e pessoas – de trabalhar juntos e abrir caminhos mais sustentáveis para o futuro do planeta. Vamos continuar liderando e dando exemplos de como fazemos isso em nossas operações, apoiando nossos parceiros e criando produtos úteis e capazes de ajudar a construir um futuro sem emissões, para todos.

* Sundar Pichai é CEO do Google e da Alphabet