Cada vez mais popular entre os brasileiros, o famoso High School, o ensino médio no exterior, tem sido uma opção não apenas para os jovens que procuram turbinar o currículo com o aperfeiçoamento de um idioma, mas também por aqueles que desejam sedimentar o caminho rumo a uma universidade de ponta. [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

Não por acaso, o mercado de educação estrangeira não para de crescer. De acordo com dados da Belta (Associação Brasileira de Turismo Educacional e de Idiomas), em 2017 houve aumento de 23% no setor, alcançando a marca de mais de 300 mil estudantes no país. Entre os cursos mais procurados está o ensino médio. No entanto, na hora de começar a programar a experiência, surgem muitas dúvidas.

A primeira delas, invariavelmente, é como escolher a escola. Existem muitas opções, como a EF Academy, que possui três colégios próprios: um nos Estados Unidos e dois na Inglaterra. Após eleger o destino, o aluno e a equipe admissional optam pelo currículo que melhor se adapta ao perfil do estudante. A partir daí, basta separar o dinheiro (uma boa soma), preparar os documentos e começar a se planejar – de preferência, com uma boa antecedência.

Cláudia Leite, Chefe de Admissões da EF Academy Brasil, revela também que uma questão frequente se refere ao formato do High School. Voltado a alunos a partir dos 14 anos, o programa tem início no 9º ano e pode ser feito de acordo com a disponibilidade e desejo do estudante brasileiro, sendo a permanência mínima de um ano letivo e a máxima de quatro períodos.

Outro ponto que sempre gera questões é relacionado à qualificação. A recomendação é procurar escolas reconhecidas internacionalmente, que possam dar acesso às universidades nos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Holanda e Austrália, entre outros.

Quem desejar utilizar o diploma para continuar os estudos no Brasil também não terá qualquer problema, mas para isso deve ficar atento em seguir os trâmites do MEC para adquirir a convalidação, ou seja, tornar seu diploma aceito nas instituições nacionais.

Vale a pena ter em mente ainda que durante a estada em outro país é possível optar por diferentes tipos de acomodação, desde quartos individuais em residência estudantil no próprio campus até tradicionais casas de família. “Ambas as modalidades trazem benefícios à vivência do estudante brasileiro, já que, de uma maneira ou de outra, ele estará envolvido em uma nova rotina e uma comunidade global”, finaliza a executiva.

Para mais informações acesse o site.

 

[/read]

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Saiba como fazer intercâmbio no ensino médio

Veja também
Escola oferece 1000 bolsas de estudo para curso de programação
Quer fazer intercâmbio nos Estados Unidos? Veja essas dicas importantes
Empresários fazem sucesso na Internet com aulas sobre Educação Cachaceira