Home Cultura POP Saiba identificar pelo rótulo os diferentes tipos de colágeno disponíveis no...

Saiba identificar pelo rótulo os diferentes tipos de colágeno disponíveis no Brasil

Suplementos alimentares que comprovadamente auxiliam na saúde da pele trazem detalhes nas embalagens facilmente identificáveis pelo consumidor

Beauty portrait (medium format image 60 megapixels)

O consumidor olha para a prateleira, vê uma série de produtos e surge a dúvida: como saber se um suplemento alimentar com colágeno terá uma ação comprovada para a beleza e saúde da pele? Com as inúmeras opções no mercado, essa escolha pode parecer cada vez mais difícil.

Alguns detalhes dos rótulos dos produtos, porém, podem ajudar, explica Sandra Lucchetti, coordenadora de Marketing e Comunicação da GELITA para a América Latina. “Para o consumidor que busca suplementação alimentar, nem sempre é fácil diferenciar um colágeno específico, com comprovação de resultados, de um com menor eficácia. Muitas vezes, ele vai escolher um produto por indicação ou porque fez uma pesquisa rápida na internet. O rótulo poderá ajudar a tirar muitas dúvidas, basta saber onde encontrar as informações”, afirma.

De acordo com a especialista, empresas que fabricam esses suplementos têm prazo até dezembro para se adaptarem a essas regras de rotulagem, mas parte já se adaptou à normatização.

Assim, fizemos uma lista com algumas dicas para identificar o melhor colágeno para a saúde da pele pelo rótulo de um suplemento alimentar. Veja a seguir:

1) Procure a frase “auxilia na manutenção da saúde da pele
Suplementos alimentares com colágeno aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) são autorizados a utilizar, nos rótulos, essa alegação “auxilia na manutenção da saúde da pele”. “A Anvisa reconhece a segurança e a eficácia funcional de peptídeos bioativos de colágeno específicos, que atuam preferencialmente nas células da pele, validando uma série de conclusões já alcançadas pela comunidade científica global, de que os colágenos não são todos iguais”, diz Lucchetti.

Outras versões que podem aparecer no rótulo do produto: “Os peptídeos bioativos de colágeno hidrolisado com peso molecular médio de 2 kDa auxiliam na manutenção da saúde da pele”.

2) Pesquise o ingrediente específico
Como nem todos os colágenos são iguais, saber qual tipo de proteína se está consumindo é importante. No rótulo, é possível identificar qual o nome do colágeno usado no suplemento. “Uma dica para o consumidor é anotar os nomes dos colágenos e pesquisar na internet a eficácia de cada um. Atualmente, o único colágeno com alegação comprovada pela Anvisa para a saúde da pele são os ‘peptídeos bioativos de colágeno com peso molecular médio de 2 kDa’, a descrição técnica da marca VERISOL”, afirma Lucchetti.

3) Veja a quantidade recomendada por porção
Para saber a quantidade diária recomendada do colágeno, procure no rótulo ou na tabela nutricional. Mais uma vez, o colágeno aprovado pela Anvisa terá uma dose específica: para o público ‘maiores de 19 anos’, o consumo recomendado é de 2,5 g / dia.

4) Confira se o produto diz “suplemento alimentar de proteína”
A denominação “Suplemento Alimentar de Proteína” não indica, necessariamente, que o produto tem colágeno aprovado pela Anvisa, explica a especialista. “Se o suplemento for constituído apenas por colágeno, o rótulo deve ter alegação de ‘fonte de colágeno’. Para produtos com colágeno e outros constituintes, e com teor mínimo de 8,4g de proteína por porção aí sim eles podem ser chamados de suplementos de proteína’”, explica a especialista.

5) Informe-se sobre a marca de colágeno utilizada no produto
Atualmente, a marca VERISOL é a única aprovada no Brasil como substância bioativa com benefícios comprovados para a manutenção da saúde da pele. Sua tecnologia é exclusiva e patenteada, com benefícios e eficácia comprovados por estudos científicos.

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA

Quais os cuidados com os cães no verão?
Previous articleMarketing Digital: O futuro do agronegócio no Brasil
Next articleTijolos ecológicos surgem como alternativa mais barata e sustentável para a construção civil

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.