O país necessita de médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, dentistas, dentre outros. Importante observar que a recente crise do COVID-19 fez com que alguns critérios para validação de um diploma estrangeiros fossem temporariamente flexibilizados.

A  pandemia de COVID-19 evidenciou o que já vinha sendo divulgado nos últimos anos: faltam profissionais de saúde nos Estados Unidos. Médicos, dentistas, fisioterapeutas e enfermeiros são cada vez mais raros no país, mesmo com o aumento demográfico da população nos últimos 10 anos.

No caso de médicos e dentistas o grande empecilho são os elevados custos para a formação acadêmica.

Pagar uma faculdade medicina é custoso até mesmo para as pessoas de classe média-alta nos EUA, que na maioria dos casos precisará de um empréstimo para financiar as mensalidades ou de uma bola de estudos.

 Já para enfermeiros e fisioterapeutas a escassez explica-se fundamentalmente pela falta de interesse das gerações mais recentes em seguir estas profissões.

Para se ter uma ideia, a cada 10 enfermeiros nos EUA apenas 5 são americanos, de acordo com o instituto de pesquisa Migration Policy, em outubro de 2019.

A escassez de profissionais de saúde afeta todos os Estados americanos. Também de acordo com o Migration Policy, existe hoje uma taxa de 119 médicos por 100 mil habitantes nos EUA. No caso de dentistas esta estatística é ainda mais desigual, com apenas 66 dentistas por 100 mil habitantes.

Em cidades e estados americanos menos desenvolvidos, esta escassez pode ser ainda pior, o que automaticamente faz com que o profissionais de saúde possa negociar melhores salários e benefícios caso tenham interesse em morar e trabalhar em localidades como Ohio, Missouri, Nebraska e Maine, que de acordo com as estatísticas do Bureau of Labor and Statistics (BLS) são as localidades que mais sofrem com a ausência de profissionais de saúde nos EUA atualmente

Por fim, segundo a Associação de Colégios Médicos Americanos (AAMC), até 2030 calcula-se um déficit de 121 mil médicos nos EUA. Uma estatística alarmante que pode piorar ainda mais o já conturbado sistema de saúde dos EUA.

E para impedir que este cenário se agrave ainda mais, o país busca ajuda de talentos estrangeiros. E profissionais brasileiros de saúde podem ajudar.

“O Brasil é um dos países que mais exporta trabalhadores qualificados para os EUA. Nosso país é referência na formação de profissionais de saúde. Muitos profissionais da saúde no Brasil podem estar qualificados para um visto de imigrante (Green Card) e nem desconfiam”, ressaltou o advogado brasileiro/americano de imigração Felipe Alexandre da AG Immigration.

O mercado de trabalho da maior potência econômica do planeta oferece diversas oportunidades para médicos de todas as especialidades, dentistas, fisioterapeutas e enfermeiros.

Sobretudo para aqueles com experiência comprovada e desempenho de destaque em suas áreas de atuação, esta é a chance de conquistar o sonhado Green Card, e dar início a uma nova etapa profissional e pessoal nos Estados Unidos.

“O visto EB-2 NIW (National Interest Waiver), por exemplo, confere o direito ao Green Card e, consequentemente, ao status de residente permanente legal sem a necessidade de possuir uma oferta de trabalho, podendo o candidato qualificar-se somente com base em seu histórico profissional e acadêmico”, constatou o Dr. Felipe Alexandre.

É claro que, como em qualquer outro país, para atuar profissionalmente nos Estados Unidos como médico ou dentista é necessário ter um diploma reconhecido pelas autoridades locais.

Os requisitos de validação de diploma variam de acordo com o estado dos EUA. Mas, via de regra, o profissional precisará atestar por meio de documentação que possui o conhecimento e capacidade exigida para o trabalho.

A primeira providência é pedir um histórico escolar e diploma das instituições de ensino que o profissional cursou no Brasil. Estes documentos precisam ser autenticados e traduzidos por tradutor juramentado.

Além disso, existem instituições de ensino nos EUA que podem auxiliar o profissional com seu processo de equivalência ou revalidação de um diploma. Dependendo da área de saúde em que atua, o profissional também poderá ser requisitado a completar exames adicionais ou provas de certificação.

O Departamento de Estado americano divulgou um apelo para que médicos e enfermeiros estrangeiros que se encontram nos EUA candidatem-se para atuar no combate à pandemia.

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA


Veja também
Gosta de vinhos? Confira essas dicas de Enoturismo na América do Sul
WhatsApp Web receberá recurso para chamadas de vídeo com até 50 participantes
Ensino universitário e mercado de trabalho: mind the gap