Lesões de jogadores podem causar grandes problemas na temporada de um clube, com resultados em campo, títulos ou colocação na liga em jogo. Embora eliminar lesões de um esporte físico como o futebol seja quase impossível, a tecnologia está tornando mais fácil para os clubes da Liga Espanhola de Futebol (LaLiga) detectar padrões significativos que levam a uma redução nos casos.

Evidências recentes sugerem que certos problemas musculares estão intimamente relacionados aos minutos acumulados nas sessões de treinamento e partidas competitivas. Os clubes estão se voltando para novas ferramentas que podem fornecer dados aos treinadores e equipes de treinamento que podem ajudar na tomada de decisões em tempo real e minimizar esse risco.

Durante os treinos, esses dados podem ser coletados por meio de dispositivos GPS que os jogadores usam em seus corpos, que também são permitidos para uso durante partidas competitivas na Espanha. Mas a LaLiga também oferece uma forma menos invasiva de rastreamento graças ao Mediacoach, uma ferramenta baseada em câmeras de pitchside que fornece informações precisas sobre a condição física de cada jogador, sem depender de fatores externos como vida útil da bateria, clima ou sinal de GPS.

Usando o Mediacoach, os clubes da LaLiga estão analisando seus jogadores em tempo real para ajustar a tática durante a partida, mas também para avaliar a demanda física que está sendo colocada sobre os jogadores e determinar se uma substituição é necessária. Com o tempo, eles estão construindo perfis únicos de seus membros de esquadrão e suas características individuais, moldando suas sessões de treinamento e táticas de jogo de acordo.

“Cada time terá demandas que eles precisam atender e, graças aos dados que vêm do Mediacoach, eles podem ver uma abundância de estatísticas sobre seus jogadores ao longo de uma temporada ou várias”, explicou Fabio Nevado, técnico analista de futebol no departamento de investigações esportivas e na equipe Mediacoach. “Isso pode ajudá-los a construir um perfil ou até mesmo a traçar o perfil de uma determinada posição. Em outras palavras, eles podem vir a entender quais são as demandas da ação competitiva para cada uma das posições em campo”.

Evitando a zona de risco
Mediacoach, que está disponível para todos os clubes da LaLiga nas versões desktop e móvel, permite que todos os funcionários do clube acessem os dados de desempenho durante as partidas em tempo real, até mesmo criando alertas que podem ser pré-configurados antes do início de uma partida.

“Por exemplo, pode ser configurado para um preparador físico ser avisado quando um determinado jogador atinge um determinado valor em termos de distância percorrida ou número de sprints”, disse Nevado. “Isso torna possível ver os níveis de desempenho do jogador em qualquer momento”.

Isso ajuda as equipes a tomarem decisões com o objetivo de minimizar o risco de lesões e também monitorar os jogadores que voltaram recentemente de uma lesão, ajudando-os a se manter dentro de certos limites e evitar o risco de recorrência da lesão.

“Não se trata de prever lesões, mas detectar limites em relação aos níveis de carga física dos jogadores e onde eles podem entrar em uma zona de risco”, disse Ricardo Resta, diretor do departamento de investigações esportivas da LaLiga e da equipe Mediacoach. “Existem jogadores que sofrem lesões sem ultrapassar esses limites, e muitos outros que não sofrem problemas mesmo quando ultrapassam esses valores. Nem tudo pode ser medido. Mas o que estamos falando é sobre a identificação dos níveis de risco como um método de prevenção”.

Medindo picos de velocidade
Quando uma lesão é diagnosticada, os clubes estudam os níveis de desempenho do jogador nas semanas anteriores à lesão para mapear um padrão potencial que pode ajudar a identificar e apresentar uma resposta na próxima vez que um padrão semelhante for detectado.

Existem inúmeras variáveis ​​no Mediacoach que podem ser estudadas para ajudar a minimizar os riscos ao longo do tempo. Uma métrica de interesse atual é o solo coberto por um jogador enquanto corre a uma velocidade de mais de 24 km/h, ou a distância percorrida quando o jogador está atingindo a velocidade máxima.

“Parece que essas explosões de esforço em uma intensidade tão alta estão mais relacionadas a lesões musculares”, continuou Nevado. “A aceleração e a desaceleração também são estudadas, que são métricas que não podiam ser medidas com precisão até recentemente. Felizmente, nossa tecnologia evoluiu o suficiente para conseguir isso”.

O exemplo do Sevilla FC
A equipe de treinamento em clubes espanhóis agora pode trabalhar com a LaLiga para adaptar os dados do Mediacoach, para se adequar aos seus próprios métodos de quantificação e controle. Cada clube possui uma determinada fórmula que utiliza para tentar reduzir o risco de lesões e estas diferem com base na metodologia utilizada para os recursos disponíveis. No Sevilla FC, por exemplo, zela-se pela proteção do estado físico e emocional dos jogadores.

Óscar Caro e Pepe Conde, treinadores do Sevilla FC, observaram: “No nosso caso, optamos por usar dispositivos GPS durante o treinamento e Mediacoach durante as partidas. Queríamos ter certeza de que os jogadores estavam o mais confortáveis ​​possível durante as partidas e respeitar o que chamamos de ‘mística’ dos momentos antes de uma partida. Preferimos aceitar as ligeiras diferenças que podem existir entre estes dois métodos de cálculo, que sabemos serem mínimas, do que interferir durante o espaço sagrado da construção pré-jogo”.

No clube andaluz, os dados são vistos como um indicador de algo que pode eventualmente acontecer. “Os dados por si só dizem pouco”, acrescentaram os treinadores. “O que tentamos fazer é encontrar indicadores que nos ajudem a antecipar uma lesão. Hoje em dia podemos construir limites de alerta muito confiáveis ​​graças ao desenvolvimento das ferramentas que usamos, graças aos avanços no conhecimento científico e ao uso aprimorado de dados”.

“Algumas métricas podem nos aconselhar se um jogador de futebol está produzindo dados além de seus níveis habituais e, olhando para essas tendências, podemos calcular picos de alta ou de baixa que precisam ser analisados ​​com mais detalhes”, continuaram os treinadores. “É muito importante que as informações obtidas nos levem a uma aplicação prática. Caso contrário, os dados se tornam inúteis”.

Caro e Conde também destacaram a importância da correlação entre dados quantitativos e qualitativos. “Um jogador pode ser influenciado por diferentes fatores, incluindo emocionais ou sociais”, disseram. “Seria um erro não considerar ou correlacionar os dados quantitativos com os dados qualitativos e subjetivos. Você precisa saber ouvir o jogador de futebol, pois as informações que o jogador pode nos dar são extremamente valiosas no processo de prevenção de lesões e no processo de otimização de desempenho”.

A equipe do Sevilla FC acrescenta que é vital saber como selecionar as variáveis ​​necessárias a partir dos dados disponíveis. “Precisamos selecionar os dados que realmente nos ajudam a fazer modificações na estrutura e no design de uma sessão de treinamento”, acrescentaram Caro e Conde. “Analisar dados menos úteis pode ser uma perda de tempo e é importante evitar isso quando se trata de trabalhar em esportes de elite, ainda mais com a agenda lotada de competições que temos agora”.

Conquistando a confiança dos clubes
A LaLiga tem trabalhado no Mediacoach por muitos anos para fazer crescer a plataforma e integrá-la com os clubes da LaLiga Santander e da LaLiga SmartBank. Roberto López, coordenador do projeto Mediacoach e do departamento de investigações esportivas, disse:

“Inicialmente, os clubes confiavam mais nos dados produzidos pelos dispositivos colocados no corpo dos jogadores do que nos dados produzidos pelas câmeras. Mas, graças ao trabalho robusto da equipe Mediacoach para tentar destacar a qualidade de nossas informações, conquistamos um maior reconhecimento”.

Essa confiança também foi alcançada graças à publicação de estudos que mostram que a tecnologia de multicâmera usada pelo Mediacoach oferece resultados tão ou mais precisos que as leituras de GPS.

Citando um estudo recente publicado na revista científica PLOS ONE, López acrescentou: “Trabalhamos com a equipe B do FC Barcelona com oito jogadores usando um dispositivo GPS durante as partidas, depois comparamos esses dados com nossas câmeras”, acrescentou López. “Os resultados mostraram que para certas métricas, como distância percorrida, a diferença entre as duas leituras foi inferior a 1%. Os resultados foram praticamente os mesmos”.

Informar decisões difíceis de coaching
Com uma lista de jogos particularmente congestionada nesta temporada por conta da pandemia, cuidar da saúde dos jogadores se tornou uma preocupação ainda mais urgente para os clubes de futebol. As rotações de escalação podem ajudar a aumentar o tempo de descanso dos jogadores, mas com cada resultado potencialmente crucial para a temporada, os treinadores relutam naturalmente em deixar de fora seus melhores jogadores. O uso de dados está ajudando mais clubes a encontrar o equilíbrio certo.

“Pode ser que, dado o placar ou a importância de uma partida, seja necessário que um jogador com alto nível de carga atue em um determinado momento”, disse López. “Mas, graças ao Mediacoach, é possível que as equipes médicas acompanhem as métricas ao vivo e avisem os treinadores se certos níveis forem ultrapassados, para que possam tomar medidas preventivas”.

“O trabalho de um treinador se torna mais difícil a cada ano devido à necessidade de tomada de decisões internas e a percepção externa dessas decisões”, concluiu Resta. “Há momentos em que os espectadores não entendem as decisões por trás de um determinado jogador de não estar na escalação inicial ou ser retirado se ele estiver jogando bem. As razões são cada vez mais baseadas em dados que são estudados de forma séria pela equipe profissional que trabalha em um clube. É necessário compreender a complexidade de tais decisões, que são cuidadosamente avaliadas com base nos resultados e consequências potenciais”.

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA

Quais os cuidados com os cães no verão?