Mais de 100 milhões de downloads na loja oficial do Android, trending topic nas redes sociais, na mídia e entre celebridades. O que o aplicativo FaceApp, aquele que envelhece fotos dos seus usuários, revela sobre a coleta de dados pessoais em hits da web? [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

“O FaceApp pode coletar dados pessoais, e isso está nos termos de uso da aplicação desde 2017, que inclusive deixa explícito que os dados coletados são compartilhados com empresas do grupo. Ao aceitar os termos de uso, os usuários estão concordando em fornecer seus dados e precisam ter consciência disso”, alerta Bruno Prado, CEO da UPX.

Por isso, confira algumas dicas para evitar a exposição indevida de informações pessoais:

1) Leia os termos de uso e políticas de privacidade
Sim, não é uma tarefa agradável, mas essa é a única maneira de saber se as empresas estão ou não coletando dados pessoais. E ainda assim, nem sempre será possível saber para qual finalidade as elas estão coletando esses dados.

No caso do FaceApp, por exemplo, os termos de uso deixam claro que coletam dados dos usuários que usam o aplicativo, inclusive informações do navegador desses usuários, porém não especificam qual o objetivo dessa coleta.

2) Fique atento ao conteúdo compartilhado
Verifique se o aplicativo permite que você e outros usuários criem, publiquem, armazenem e compartilhem dados pessoais, incluindo mensagens, textos, fotos, vídeos, software e outros materiais de feedback.

3) Avalie as permissões requisitadas
Analise se as permissões que o aplicativo requisita fazem sentido ao serviço que ele propõe executar. Um app de fotos, por exemplo, não precisa ter acesso aos contatos, assim como um de calendário funciona perfeitamente sem acessar a câmera e o microfone.

Além disso, o ideal é também checar as avaliações e comentários de outros usuários nas lojas de aplicativos (Apple Store e Google Play).

 

[/read]

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Lições após o fenômeno FaceApp: dicas para fugir da espionagem em hits da web

Veja também
Aplicativo de acesso remoto ganha recursos de Realidade Aumentada
Realidade aumentada e a revolução do mercado 4.0
Como controlar o acesso das crianças às redes sociais