As lojas online e o delivery são serviços que vieram para ficar. [read more=”Continuar lendo…” less=”Menos”]

A entrega em domicílio ou no trabalho é uma facilidade que já faz parte do dia a dia do brasileiro. Com a pandemia do novo coronavírus, a importância de sites e aplicativos foi intensificada.

O serviço de entregas tem alta demanda no setor alimentício e segue em expansão, entregando refeições em diferentes horários do dia. Entretanto, com o avanço da pandemia, outras opções de delivery passaram a ser amplamente solicitadas. Conheça seis modalidades diferenciadas a seguir.

1. Lavanderia
As lavanderias precisaram aumentar o leque de serviços para se manter relevante. Com uma rotina agitada, nem sempre é fácil encaixar uma ida à lavanderia, pois é necessário tempo, logística e organização para levar todas as roupas e acessórios até o local.

O delivery facilita isso, possibilitando que as peças sejam retiradas e entregues depois da lavagem. Outra opção de serviço oferecido é a passagem das roupas. Os clientes agendam o dia e o horário para os itens serem retirados, recebendo todos passados e prontos para serem guardados no armário.

2. Limpeza de automóvel
Levar o carro para lavar nem sempre é uma tarefa simples. A logística deve ser pensada cuidadosamente, porque não será possível utilizar o veículo por algumas horas. Para resolver isso, surgiu uma solução que oferece esse serviço no formato de delivery.

Funciona da seguinte maneira: o usuário marca o dia, o horário e o endereço onde o serviço deve ser realizado. Seguindo as informações de agendamento, o funcionário vai ao local combinado e realiza a limpeza, tornando o processo mais prático e rápido.

3. Universo Pet
Enquanto a economia nacional sofre, alguns setores conseguem ir à contramão e aumentar as vendas — o mercado pet é um deles. O Brasil é o terceiro país que mais fatura no mundo quando o assunto é o universo dos bichinhos, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Criar um serviço de delivery pet é aumentar os lucros e expandir os negócios. Diversos aplicativos e lojas online oferecem a opção de compra de brinquedos, remédios, ração e outros produtos. Além disso, alguns possuem agendamento de banho e tosa.

4. Vinhos
O serviço delivery é popular quando o assunto é comida. Entretanto, o aumento da busca por bebidas na quarentena fez com que o setor de vinhos se adaptasse rapidamente. Diversas lojas desenvolveram o sistema de entregas para atender a nova demanda.

Existem opções para todos os gostos, desde vinhos com valor mais em conta, até rótulos com preço expressivo. Com a utilização do serviço, a taça de vinho diária é garantida, e não há necessidade de ir ao mercado ou à adega.

5. Farmácia
Algumas farmácias já ofereciam a opção de delivery, mas o serviço se expandiu durante a quarenta, porque as pessoas querem se expor menos ao vírus. Receber medicamentos, produtos de beleza, suplementos e itens de higiene pessoal em casa é muito mais prático.

As farmácias observaram a alta na demanda e precisaram se adaptar para entregar um serviço de qualidade. A rapidez nas entregas dos produtos é um grande diferencial e facilita a vida do consumidor. Os pedidos podem ser feitos por aplicativo, diretamente pelo telefone ou WhatsApp da farmácia.

6. Mercado
Os mercados fazem parte dos serviços essenciais, mas nem todas as pessoas querem ou podem se expor dessa maneira. A entrega em domicílio também já existia em algumas redes, mas passou a ser mais comum durante a quarentena.

Funciona de maneira fácil: basta escolher os produtos virtualmente e eles serão entregues na sua casa. Além do delivery próprio de cada rede de supermercado, existe a opção de aplicativos de entrega em geral. Neles, é possível solicitar a compra de diferentes itens, inclusive produtos encontrados no mercado, como frutas e legumes.

[/read]
 

INSCREVA-SE NO CANAL DO YOUTUBE DO VIDA MODERNA
Conheça 6 tipos de delivery que você não imaginava que existissem

 

Veja também
Brasil Game Show de 2020 é oficialmente adiada
LG apresenta novo Monitor UltraWide Gamer
Ensino universitário e mercado de trabalho: mind the gap